Seymour Hersh acerca da morte de bin Laden sucumbe à desinformação


Seymour Hersh acerca da morte de bin Laden sucumbe à desinformação

Hersh concluiu que o relato do regime de Obama acerca da morte de bin Laden é uma falsificação total exceto quanto ao fato de que bin Laden foi morto.

Não acredito na estória de Hersh por três razões. A primeira razão é que bin Laden sofria de uma doença que ninguém pode sobreviver durante uma década. A sua morte foi amplamente divulgada em 2001. Outra razão é que mesmo o relato da "verdade" de Hersh "do que realmente aconteceu" é contraditado por testemunhas oculares e as entrevistas de iniciais da TV paquistanesa "eu mesmo tive contato com pessoas ligadas ao assunto". A terceira razão é que a estória de Hersh é demasiado intrinca para um assassinato, um acontecimento rotineiro. Ele revela mentiras dentro de mentiras, indecisão dentro de decisão, subornos dentro de subornos e informa de um tão enorme número de pessoas com conhecimento antecipado do ataque que este possivelmente não podia ter sido mantido secreto.

Eu podia acrescentar uma quarta razão – a falta de credibilidade do governo estado-unidense. Washington mente sobre tudo. Por exemplo: armas de destruição em massa de Saddam Hussein, utilização de armas químicas por Assad, ogivas iranianas, invasão russa da Ucrânia. Se, como Hersh relata, 99% do conto de Washington do ataque em Abbottabad é constituído por mentiras, por que acreditarmos que 1% da estória é verdadeira e que bin Laden foi morto [no complexo]. É difícil haver assassínio sem um cadáver. A única prova de que bin Laden foi morto é a afirmação do governo.

Na minha opinião, agências de desinformação de Washington conseguiram finalmente enganar Seymour Hersh com uma "inside story" cozinhada que salva a afirmação de Washington de ter assassinado bin Laden ao provar que o governo dos EUA é uma extraordinário mentiroso e violador da lei.

A estória de Hersh prova que o governo estado-unidense é um mentiroso, mas não prova que uma equipe SEAL assassinou Osama bin Laden.