Alemanha lucrou mais de 100 bilhões devido à crise na Grécia


Alemanha lucrou mais de 100 bilhões devido à crise na Grécia

A Alemanha “se beneficiou claramente” em mais de 100 bilhões de euros devido à crise na Grécia.

De acordo com a pesquisa, o valor representa o montante garantido pela Alemanha em função das baixas taxas de juros, resultado da atração de seu cenário econômico em relação ao grego. Assim, o país germânico foi beneficiado por sua posição estável, em um momento que atuava como pivô das negociações de pacotes de resgate para a Grécia, ao lado do Banco Central Europeu, do Fundo Monetário Internacional e da União Europeia.

“Nos anos recentes, cada vez que os mercados financeiros souberam de notícias negativas sobre a Grécia, as taxas de juros sobre as obrigações do governo alemão caíram, e cada vez que as notícias foram boas, elas subiram”, defende o documento, que conclui que a economia alemã “se beneficiou desproporcionalmente” de sua posição, enquanto suas poupanças “excederam o custo da crise, mesmo se a Grécia não pagasse todas as suas dívidas”.

A Alemanha exigiu um acordo com a Grécia e que o primeiro-ministro Alexis Tsipras realizasse duras reformas econômicas em seu país, sob a justificativa do ministro das finanças alemão, Wolfgang Schäuble, de que o orçamento dos germânicos era equilibrado e seguro. Porém, ainda de acordo com o Instituto Leibniz, esse equilíbro só foi possível devido às poupanças de taxas de juros em função da dívida grega.

O montante de 100 bilhões de euros estimados pelo relatório são provenientes de 3% do PIB alemão poupado desde 2010 – países como Estados Unidos e Holanda também se beneficiaram desse cenário, mas com menos intensidade –, enquanto o valor gasto pela Alemanha em pacotes de resgate internacionais chegou a 90 bilhões de euros.