AT&T mostrou "grande vontade em colaborar" com a NSA


Companhia AT&T mostrou "grande vontade em colaborar" com a NSA

Não que a gente pegou a notícia de surpresa porque era um fato relativamente bem conhecida que a AT&T ajudava a NSA.

Mas agora um artigo no New York Times confirmou com mais dados desconfortável e perturbadora: AT&T ajudou o governo dos EUA e a NSA a espionar a Internet em uma escala maciça.

De acordo com o Times e o site de jornalismo de investigação ProPublica, a norte-americana AT&T é descrita como uma empresa "extremamente cooperativa", que mostrou "uma grande vontade em colaborar".

Segundo o The New York Times, não é claro se o programa descrito pelos documentos, datados entre 2003 e 2013, continua ativo hoje em dia.

Os documentos mostram que a AT&T permitiu à NSA ter acesso a emails trocados em território norte-americano, incluindo na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque.

A vigilância na sede das Nações Unidas já era conhecida, mas agora foi revelado que essa vigilância foi ordenada pelo tribunal norte-americano secreto Foreign Intelligence Surveillance Court. Em 2013, Washington garantiu à ONU que não iria continuar a recolher dados sobre as suas comunicações.

As empresas de telecomunicações Verizon e MCI (comprada pela Verizon em 2006) também colaboraram com a NSA, mas a novidade é a escala da colaboração da AT&T.

Esta companhia começou em 2011 a fornecer à NSA mais de mil milhões de registos de telemóveis por dia. O objetivo era obter um fluxo "operacional antes do 10.º aniversário do 11 de Setembro", indicam os documentos. Depois das revelações de Edward Snowden em 2013, as autoridades afirmaram que a vigilância das comunicações dizia respeito essencialmente às linhas fixas e não de telemóveis.

Edward Snowden está na Rússia ao abrigo de um asilo temporário que lhe foi concedido a 1 de Agosto de 2013 pelo prazo de um ano e prolongado por mais três anos em Agosto de 2014. Acusado de espionagem nos Estados Unidos, arrisca uma pena de prisão de até 30 anos no seu país.

Os documentos que Snowden enviou a alguns jornalistas revelavam programas de espionagem de uma dimensão até então totalmente desconhecida. A recolha pela NSA de metadados das chamadas de telefone, incluindo nos Estados Unidos, e sem qualquer controle judicial, preocupou particularmente os defensores das liberdades individuais.

A Casa Branca rejeitou, no final de Julho, uma petição assinada por 167.954 pessoas de perdão incondicional para o ex-consultor da NSA que desvendou as reais dimensões da rede de espionagem electrónica dos Estados Unidos.