Digite algo e pressione enter

MichellHilton@Outlook.com
author photo
Por Em
Spyware foi criado para espionar Alberto Nisman na Argentina

Alberto Nisman fez inimigos poderosos dentro e fora da Argentina. Foram criados até spyware, todos se comunicando com o mesmo conjunto de servidores para receber dados de Nisman.

Alberto Nisman, o promotor argentino conhecido por obstinadamente investigar um atentado em Buenos Aires 1994, foi alvo de software espião invasivo baixado em seu telefone celular pouco antes de sua morte misteriosa. O software se disfarçou como um documento confidencial e foi destinado a infectar um computador com Windows.

A pessoa ou pessoas por trás da tentativa de monitorização parecem ter executado outras operações de vigilância que envolveram vários locais em toda a América do Sul, pelo menos um, aparentemente, visando um jornalista argentino-ralé empolgante. No processo, eles criaram, pelo menos, quatro pacotes distintos de spyware, todos se comunicando com o mesmo conjunto de servidores para receber dados de Nisman. Eles também deixaram traços mostrando que suas operações estavam ativas recentemente, em março, levantando a possibilidade de que a espionagem on-line continua até hoje.
A morte de Nisman, e as circunstâncias que o rodeiam, levou a um grande protesto na Argentina e declaradamente na França, Espanha e Israel.
Nisman fez inimigos poderosos dentro e fora da Argentina. Em sua investigação de uma década no atentado suicida de uma organização judaica e centro comunitário, Associação Mutual Israelita Argentina, ele indiciou uma célula do Hezbollah e vários funcionários iranianos, incluindo um ex-presidente, o ex-ministro da Inteligência, e um ex-ministro das Relações Exteriores. Quatro dias antes de sua morte, ele acusou o presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, e seu ministro das Relações Exteriores, Héctor Timerman, de estar envolvido em uma conspiração criminosa para deixar as autoridades iranianas fora do gancho para o ataque. Ele foi chamado para depor perante o Congresso.
O arquivo "estrictamente secreto y confidencial.pdf.jar" seria, de acordo com as configurações padrão no Microsoft Windows.
Exibindo-o para um usuário desavisado como "estrictamente secreto y confidencial.pdf" em uma tentativa de enganar o usuário a acreditar que o spyware foi simplesmente um documento no formato PDF comum. Este arquivo, foi enviado para Nisman, é na verdade um pedaço de software de espionagem foi empacotado juntamente com um PDF. Este "agrupamento" é uma técnica comum para a entrega de spyware. Os supostos espiões transformam o programa que lhes permite selecionar um "documento isca", combiná-lo com o software de espionagem e, em seguida, normalmente, esta compilação do spyware seria entregue a um alvo por meio de um e-mail explicativo informando o de que ele deve abrir o anexo, pois ele contém informações interessantes.

O jornalista investigativo argentino, Jorge Lanata, revelou que em 3 de dezembro, no mesmo tempo de Nisman ele parece ter sido alvejado com o mesmo spyware. Lanata é um dos críticos mais proeminentes contra a corrupção no governo.
O spyware que tanto Lanata e Nisman receberam trabalhou com o mesmo "comando e controle" de domínio, um endereço de Internet que aponta para uma máquina remota usado por espiões para controlar o software que eles têm implantado na máquina da vítima.