‘Charlie Hebdo’ ironiza morte de Aylan Kurdi com charges


‘Charlie Hebdo’ ironiza morte de Aylan Kurdi com charges

‘Charlie Hebdo’ ironiza morte de menino sírio Aylan Kurdi com charges polêmicas. A morte de Aylan causou mais impacto do que o ataque ao semanário.

O semanário humorístico negro fez uma capa mostrando o menino sírio Aylan Kurdi, morto na praia turca de Bodrum, com uma mensagem satírica dizendo que ele “fracassou a chegar à Europa” porque seria muçulmano.

Na imagem, o menino que se tornou símbolo da crise migratória aparece morto na praia diante de um anúncio da rede de fast food McDonald’s, que diz “dois menus de criança pelo preço de um”. A legenda diz “Tão perto da meta”.

Várias pessoas criticaram a atitude do semanário. Entre autoridades que condenaram a edição, o advogado Peter Herbert, diretor da Sociedade de Advogados Negros do Reino Unido, afirmou que o órgão abrirá uma medida contra o periódico.

“O jornal é uma publicação racista, xenofóbica e ideologicamente falida que representa o decaimento moral da França”, escreveu no Twitter.

Em outro cartoon, legendado com “A prova de que a Europa é cristã”, o menino aparece como uma figura martirizada como Jesus, com mensagens dizendo que “os cristãos andam na água e crianças muçulmanas afundam”. E, em outra, ele aparece com um personagem de um programa de TV infantil e a mensagem mostra “Bem-vindo à ilha das crianças”.