Petra Laszlo a cinegrafista húngara filmada chutando refugiados é demitida


Petra Laszlo a cinegrafista húngara filmada chutando refugiados é demitida

Petra Laszlo também deu uma rasteira em outro imigrante que tentava entrar na Hungria a partir da Sérvia.

Uma cinegrafista húngara foi demitida após ser filmada chutando uma criança refugiada e dando uma rasteira em outro imigrante que tentava entrar na Hungria a partir da fronteira com a Sérvia. A emissora local “N1TV” informou que a funcionária, identificada como Petra Laszlo, teve o contrato encerrado por ter se comportado de forma “inaceitável”.

“O emprego dela foi encerrado hoje (...) o caso está encerrado para nós”, disse o editor-chefe do canal, Szabolcs Kisberk, em comunicado.

Em vídeos postados na internet, Petra aparece dando um chute em uma menina e fazendo outro refugiado que levava um menino tropeçar. A cena ocorreu enquanto centenas de imigrantes, muitos deles sírios, fugiam da polícia na fronteira entre a Hungria e a Sérvia, perto da cidade de Roszke.

Este é o tipo de pessoa que deveria ser demitida, presa, punida e esquecida naquelas cadeias onde a pessoa fica sozinha 24 horas durante 50 anos seguidos até enlouquecer. Então teria tempo para refletir as atrocidades cometidas enquanto estava livre e solta fazendo reportagens estúpidas e vergonhosas.

O canal para o qual Petra trabalhava é considerado de ultra direita e diz defender os “assuntos nacionais”. O governo húngaro assumiu uma postura inflexível sobre o fluxo de imigrantes que chegam ao país com destino à Europa Ocidental, os classificando como uma ameaça à “prosperidade europeia” e aos “valores cristãos”.

Jornalista húngara que agrediu refugiados enfrenta pena de prisão - RTP
Jornalista dá pontapés a refugiados que tentam entrar na Hungria - TVI24
Cinegrafista húngara é demitida após chutar e derrubar refugiados - Época‎

Só neste ano, o país recebeu mais de 150 mil imigrantes, muitos deles refugiados de conflitos no Oriente Médio. Eles chegam à Hungria a partir dos Balcãs na tentativa de seguir para nações do Norte da Europa, como Alemanha e Reino Unido. Diante disso, eles se recusam a respeitar as regras da UE e não querem pedir asilo no território húngaro.