A eficácia da inteligência francesa é duvidosa


A eficácia da inteligência francesa é duvidosa

Especula-se que terroristas tenham se comunicado por meio do Playstation. A inteligência da França não conseguiu sair na frente de um monte de barbudos com total despreparo.

Para alguns especialistas, a escala e a complexidade das ameaças jihadistas teriam simplesmente sobrecarregado o sistema de defesa e inteligência da França – o que poderia justificar a falha em prever e impedir os atentados. Até agora, os responsáveis pelos serviços de inteligência do país não apresentaram justificativas.

Mais - Dilma colocou o Brasil na mira do terror

Especula-se que os ataques em Paris envolvam o popular console de videogame Playstation 4. Citado pela revista americana Forbes, o ministro do Interior da Bélgica, Jan Jambon, disse que membros do EI usam o equipamento para se comunicar, em jogos que permitem o contato entre os jogadores.
Um alto funcionário do governo da Turquia afirmou à agência de notícias AFP que forneceu informações à França em duas oportunidades, em dezembro de 2014 e junho de 2015, sobre um dos suspeitos de envolvimento nos ataques realizados em Paris na sexta-feira, Omar Ismaïl Mostefaï.
A mídia americana especula ainda que os terroristas usem aplicativos de celular codificados para que sua comunicação não seja captada pelos serviços de inteligência.
A DGSE o serviço de inteligência da França foi formada sob a autoridade do Ministério da Defesa francês e fez para a responsabilidade de pesquisa e exploração de inteligência, que é relevante para a segurança da França, bem como detectar e encontrar atividades para a espionagem externa contra os interesses franceses para evitar suas conseqüências.
Um vez que o serviço da França não é confiável a eficácia das sua operações também devem ser colocados em questão.