Indústria de criptografia ransomware em expansão



Ransomware que usa criptografia forte para segurar 'discos rígidos inteiros de refém está ficando cada vez mais desagradável, criminosos tentam encontrar novas maneiras de extorquir mais pessoas a pagar resgates cada vez mais pesadas para recuperar seus arquivos.


Começam a surgir novas versões de ransomware que para além de exigirem os pagamentos, ameaçam também expor os ficheiros dos utilizadores na Internet.

Os primeiros casos do Chimera, nome dado a este nova ransomware, foram descobertos pela Anti-Botnet Advisory Centre, um serviço da Associação Alemã da Indústria da Internet. Estes casos visaram principalmente empresas, para onde foram enviadas mensagens de e-mail a determinados funcionários, com candidaturas para vagas de trabalho e com propostas de negócios.

O ransomware normalmente funciona de forma isolada e sem necessidade de acesso à Internet, pelo que esta nova variante deverá requerer a qualquer momento acesso à rede.

Esta é uma nova forma de forçar o pagamento do resgate e de assustar os utilizadores que caem nas mãos dos criadores destes novos ransomware. A maioria acabará por pagar, para que para além de ter acesso aos seus ficheiros estes não acabem expostos na Internet.