Islamofobia virou ideologia rotineira na França


Islamofobia virou ideologia rotineira na França

Islamofobia virou ideologia rotineira na França e agora com os acontecimentos atuais isso pode piorar a situação.

Claro que a xenofobia e o racismo estão presentes em toda Europa, mas acho que existe uma especificidade francesa. Ao contrário do que os brasileiros podem pensar, não é a crise europeia que provocou o surgimento da extrema direita na França. Aliás, se sabe agora que a França foi o laboratório intelectual das ideologias mais perigosas na Europa, embora seja a Alemanha que decidiu aplicá-las.

Cabe lembrar que, a França participava de maneira muito ativa do armamento de Saddam Hussein na sua guerra contra o Irã. A raiz ideológica desta “questão muçulmana” vem então de um momento geopolítico interno e externo.

Há 25 anos que a sociedade francesa ouve que o muçulmano deve esconder suas crenças, como se o Estado laico significasse a desaparição da religião do espaço público, mas não é bem assim. Num Estado laico, a religião é um assunto pessoal e privado, o que não significa escondido. Aliás, as procissões católicas foram sempre bem toleradas, sem ser vistas como ameaça.

É preciso lembrar que o Islã de hoje foi criado pelos europeus que os colonizaram e sugaram seu sangue e suas riquezas no passado, além é claro dos EUA na era moderna com sua atuação nefasta no Irã até à época do Xá Mohammad Reza Pahlavi, cujo governo foi derrubado então pelos sectários religiosos que assumiram o controle da sociedade no Islã em geral devido aos atos praticados contra seu povo pelos europeus e americanos. 

Portanto os Europeus não podem reclamar de sua cria. Criaram o ogro e agora ele os quer engolir.