A ameaça iminente ao mandato da presidente sitiada Dilma Rousseff


A ameaça iminente ao mandato da presidente sitiada Dilma

A presidente sitiada Dilma Rousseff, que tem lutado pela sua sobrevivência política, depois de vencer a reeleição para um segundo mandato, parece não ter ganhado uma trégua.

Analistas políticos dizem que o apoio de Renan Calheiros, que também está sendo investigado por alegações de que ele estava envolvido no escândalo de corrupção na Petrobras, pode ser crucial para Dilma, que enfrenta processo em um tribunal federal de auditoria amarrado ao Congresso sobre os créditos que ela utilizou indevidamente para cobrir déficits orçamentários. A decisão contra Dilma poderia abrir o caminho para um processo de impeachment, algo que já foi feito.

Mais - O Brasil centra-se no impeachment da líder sitiada Dilma Rousseff

Funcionários do governo de Dilma inicialmente pareciam aliviados após Eduardo Cunha ter sido acusado, de acordo com informações da imprensa, argumentando que colocá-lo na defensiva torna o impeachment da presidente sitiada uma possibilidade mais distante. Como presidente da câmara, Cunha tem a autoridade para iniciar um processo de impeachment contra um presidente em exercício.

Agora sabemos que Cunha fez exatamente o contrário.