Google não irá monitorar palestinos no YouTube


Google não irá monitorar palestinos no YouTube

O gigante da Internet Google negou na segunda-feira um relatório do Ministério das Relações Exteriores de Israel que dizia ter chegado a um acordo com o governo para monitorar conjuntamente os vídeos do YouTube que incitam ataques.

O ministério disse na semana passada que o Google, que é proprietária do YouTube, concordou em monitorar materiais on-line - incluindo vídeos que incentivam os ataques contra israelenses - depois de uma reunião entre executivos do Google e o israelense Tzipi vice-chanceler Hotovely.

Mas a empresa disse que esse acordo não tinha sido atingido.

Levando por este lado o Google teria que monitorar os massacres produzidos por Israel e seus soldados extremamente violentos. Judeus assassinam Palestinos todos os dias e ninguém faz nada para impedir ou condenar eles.

RECOMENDADO: