Al-Jazeera toma medidas legais contra o governo egípcio


Al-Jazeera toma medidas legais contra o governo egípcio

Al-Jazeera lançou formalmente o seu pedido de arbitragem internacional contra o governo militar do Egito após o que a considera ser uma prolongada campanha contra a sua empresa e seus jornalistas.

De acordo com um comunicado de imprensa emitido pelo escritório de advocacia de Londres, Carter Ruck, a ação da empresa de radiodifusão com sede no Qatar está a ser tomadas sob a jurisdição do Centro Internacional por Arbitragem de Disputas sobre Investimentos (ICSID), em Washington DC.

Em setembro de 2013, Al-Jazeera anunciou que iria buscar reparação judicial contra o Egito. 

Os termos do tratado necessário que a Al-Jazeera abster-se de um processo formal de arbitragem por um período de pelo menos seis meses para permitir que as partes para discutir um acordo. Egito não se envolver em tais discussões.

Vários jornalistas que trabalham para Al-Jazeera foram presos e perseguidos nos meses seguintes a julho de 2013 após a derrubada do governo liderado pelo presidente Mohammed Morsi pelos militares egípcios.

Alguns dos funcionários da emissora foram detidos sem acusação. Outros foram sujeitos ao que o comunicado de imprensa chama de "acusações falsas e politicamente motivadas."

Al-Jazeera argumenta que, devido a ações do Egito, tem sofrido perdas de pelo menos 150 milhões de dólares.