China está prendendo pessoas que escreveram e compartilharam uma carta na internet


China está prendendo pessoas que escreveram e compartilharam uma carta na internet

A carta solicita que o Presidente demita-se

As autoridades chinesas parecem estar aumentando a repressão e investigação destinada a identificar os autores de uma carta aberta misteriosamente pedindo ao presidente chinês Xi Jinping que ele renuncie.

A carta apareceu pela primeira vez em um site de notícias chamado Wujie News, em 04 de março, uma data que coincidiu com a abertura da sessão anual do parlamento chinês, o Congresso Nacional do Povo. Na maioria dos países, o conteúdo da carta seria visto como uma polêmica política.


A carta acusou o presidente Xi de "abandonar o princípio da direção coletiva" em favor da concentração de poder em suas próprias mãos, e de incentivar um culto de personalidade centrado em torno de si mesmo.

A carta pedia ao presidente Xi que ele renunciasse, "para o futuro do país e do seu povo".

Os autores da carta não são conhecidos, mas assinaram como "leais membros do Partido Comunista".

Wen Yunchao, um dissidente que vive nos EUA, disse que seu irmão e os pais estão presos em Guangdong. Wen disse que ele não sabia quem tinha escrito a carta e ele não tinha nada a ver com a sua publicação.

China deteve cerca de 20 pessoas na sequência da publicação da carta. Quatro funcionários do Wujie News, incluindo CEO Ouyang Hongliang e o editor-chefe Huang Zhijie que estão "fora de contato" desde a semana passada. Outro jornalista, Jia Jia, foi detido em 15 de março no aeroporto de Pequim, quando ele estava prestes a partir para Hong Kong.