Arquitetura futurista não é um estilo, mas uma abordagem arquitetônica


Arquitetura futurista não é um estilo, mas uma abordagem arquitetônica

Arquitetura futurista que mais parece formações verticais saídas de filmes de ficção científica. São projetos que exibem o poder de gigantes multinacionais, ou visam resolver o continuo aumento da população nas grandes cidades, cada vez mais sem espaço.

O maior edifício do mundo, o Burj Khalifa, ganhou uma foto em alta resolução direto do satélite GeoEye 1. Esse aparelho é o que tem a mais alta resolução em fotos que está em operação no momento. Anteriormente era conhecido como Burj Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, sendo a maior estrutura e, consequentemente, o maior arranha-céu já construído pelo homem.

O prédio conta com 828 metros de altura, tem 160 andares e fica em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Para se ter uma ideia do trabalho depositado nessa belezinha, a construção do Burj Khalifa levou 6 anos e consumiu 39 mil toneladas de aço reforçado e 22 milhões de horas de trabalho.

Já o satélite GeoEye 1, que orbita a 684 Km da superfície da Terra, é muito utilizado para enviar fotos exclusivas para o Google, que as utiliza em seus serviços Earth e Maps.

Com caráter de obra faraônica, as Torres que dançam de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, vão ser a sede da empresa Business Bay. O projeto começou a ser construído em 2008, mas já foi paralisado e ainda não há previsão de retorno. As três torres foram “coreografadas” para refletir o movimento de fluidos, de acordo com a arquiteta iraniana Zaha Hadid, responsável pelo projeto e vencedora de diversas competições internacionais.

A Bosco Verticale de autoria do arquiteto Stefano Boeri.


Este arranha-céu modernista e residencial terá 145 andares e será localizado na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos. O prédio é projetado pela empresa suíça Herzog & de Meuron e descrito pelo arquiteto como “casas empilhadas no céu.”