Ataque aéreo com drone dos EUA mata líder da Al-Qaeda


Ataque aéreo com drone dos EUA mata líder da Al-Qaeda

Um membro da Al-Qaeda egípcia e ex-assessor de Osama Bin Laden foi morto em um ataque aéreo americano no noroeste da Síria, um grupo de acompanhamento e parentes confirmaram.

O Observatório Sírio baseada na Grã-Bretanha para os Direitos Humanos disse que Rifai Ahmad Taha, 60, que estava lutando na Síria, morreu em um ataque não tripulado dos EUA na província de Idlib da Síria.


No Egito, um parente disse que a esposa e o irmão de Taha receberam a confirmação sobre a sua morte e dezenas de membros de grupos armados radicais estavam prestando condolências na sexta-feira à família. O parente falou sob condição de anonimato para a agência Associated Press.

No entanto, em Washington, o porta-voz do Departamento de Defesa Matthew Allen disse que as autoridades não puderam confirmar a morte de Taha.

"Posso confirmar que os EUA atingiu um veículo matando vários militantes da AQ", disse Allen, usando uma sigla para se referir a Al-Qaeda.

"Os resultados deste ataque ainda estão sendo avaliados."

Antes de ingressar na Al-Qaeda, Taha foi uma figura de topo em grupo armado do Egito Gamaa Islamiya, que massacrou 58 turistas estrangeiros na antiga cidade egípcia de Luxor em 1997.

Taha foi preso em 2001 no Egito sob o governo do então presidente Hosni Mubarak depois de ser detido na Síria e entregue ao Cairo. Ele foi libertado depois que Mubarak foi retirado do poder em 2011.

Ele também esteve envolvido em uma tentativa de assassinato contra Mubarak durante uma visita à Etiópia, em 1995. O ex-presidente egípcio não foi atingido quando seu comboio foi atacado por tiros.

No início de 1980, Taha passou cinco anos na prisão após o assassinato do presidente egípcio Anwar Sadat de 1981.