Grupo rebelde sírio diz ter assassinado um guarda-costas da família Assad


Grupo rebelde sírio diz ter assassinado um guarda-costas da família Assad

Um grupo rebelde sombrio operando em Damasco reivindicou o assassinato de um dos melhores guarda-costas da primeira-dama Asma al-Assad.

Liwa al-adiyat anunciou na quarta-feira que matou o coronel Hussam Abboud Shalish, que eles chamaram de "um criminoso responsável pela proteção de Asma al-Assad", e dois de seus próprios guarda-costas, "no coração da capital."

O grupo que reivindicou uma série de assassinatos em Damasco disse que conduziu a operação ao lado de uma pequena facção afiliada ao Exército Sírio Livre.

Liwa al-adiyat não deu mais detalhes sobre o assassinato em sua declaração.

A facção rebelde, anunciou em 29 de janeiro que tinha matado Firdous Ismail, um tenente no aparelho de segurança militar.

No dia seguinte, Liwa al-adiyat reivindicou o assassinato de Naseem Taref Nayyas, que o grupo identificou como um oficial das "forças especiais".

Em 9 de fevereiro, os rebeldes reivindicaram o assassinato do tenente Ahmad Jamaa, dizendo que o esfaqueou no pescoço enquanto ele estava andando pela cidade no meio da noite com uma garrafa de vinho enquanto era acompanhado por uma prostituta.

Em 19 de fevereiro, Liwa al-adiyat reivindicou que seus membros esfaquearam tenente Hussein Dalaos em sua própria casa na capital. O grupo também postou um vídeo macabro em sua página no Facebook que mostra o corpo do policial morto coberto em seu próprio sangue.

"Vamos continuar a ser uma espada que desmembra as articulações do regime e sacode a sua [presença] no coração da capital," o grupo rebelde advertiu em um comunicado.

Este material foi traduzido de uma fonte de língua árabe.