Banco de dados da World-Check vaza na internet


Michell Hilton - Banco de dados com mais de 2 milhões registros vaza na internet

Um enorme banco de dados com mais de 2,2 milhões de registros que continha nomes de terroristas e "indivíduos de risco elevado" vazou na internet. O pesquisador Chris Vickery reivindicou no Reddit que ele tinha conseguido obter uma cópia de 2014 da versão do banco de dados confidencial, que foi usado por bancos, governos e agências de inteligência em todo o mundo. O banco de dados que vazou contém mais de 2,2 milhões de registros de pessoas com suspeita de terrorismo, crime organizado, lavagem de dinheiro, suborno, links de corrupção, e "outros atividades desagradáveis." de acordo com a Reuters.

Embora o acesso ao banco de dados World-Check seja fortemente restringido sob as leis de privacidade europeias, Reuters diz que uma terceira parte não identificada expôs uma versão desatualizada do banco de dados online.

Michell Hilton

Vickery também disse aos meios de comunicação que, mesmo após a divulgação pela Reuters, o banco de dados ainda está disponível online.

Juntamente com o número de categorias, o banco de dados World-Check também contém as datas e locais de nascimento dos indivíduos em um esforço para ajudar os bancos e entidades governamentais a checarem se eles estão olhando para as pessoas certas.

O banco de dados World-Check tem sido repetidamente acusado de designar falsamente indivíduos e organizações como terroristas na lista sem o seu conhecimento.

"A pior situação possível que possa surgir é que alguém que possa ser inocente, mas acusado de atividade criminosa na base de dados, pode ser permanentemente marcada em escala global, se esse banco de dados ser difundido publicamente", disse Vickery.

World-Check diz que o serviço é utilizado por mais de 300 agências governamentais e de inteligência, nove das maiores firmas globais de advocacia, 49 dos 50 maiores bancos do mundo. No geral, o serviço supostamente tem mais de 6.000 clientes em 170 países.