Vale do Silício está errado sobre a China


 WeChat desenvolvido pela Tencent, lançado pela primeira vez em janeiro de 2011.
WeChat desenvolvido pela Tencent, lançado em janeiro de 2011.
No Vale do Silício, as pessoas perguntam quando a China, o maior mercado consumidor do mundo, vai abrir totalmente suas portas aos gigantes da tecnologia como Apple, Google e Facebook.

Ao longo dos últimos anos, as empresas chinesas têm estado em uma farra de gastos, investindo, ou comprando, as empresas em todos os setores econômicos. As empresas de tecnologia são agora o terceiro destino mais provável para os investidores chineses. Mas a imprensa no Vale do Silício tende a ver os negócios em termos de aquisições projetados para trazer a tecnologia ocidental para mercados chineses.
Em maio de 2016, WeChat um concorrente forte do WhatsApp divulgou que tinha mais de um bilhão de contas criadas, 700 milhões de usuários ativos.

Quando uma empresa chinesa adquiriu uma participação no Grindr, por exemplo, a imprensa voltada para o mercado potencial para aplicações de namoro destinadas a comunidade gay da China. O que recebe menos atenção é o crescente interesse do Vale do Silício em replicar produtos chineses de sucesso, apesar dos desafios que a estratégia apresenta. Claramente, há uma desconexão na forma como o Vale do Silício vê a indústria de tecnologia da China. Mas o ponto de vista parece muito diferente de Israel, que tem tido um lugar na primeira fila na expansão chinesa desde os anos 1990.

A China é o terceiro maior parceiro comercial de Israel, e o total da atividade econômica entre os dois países chegou a 11 bilhões de dólares no ano passado. No passado, a China comprou a tecnologia dos EUA porque faltava capacidade de desenvolvimento nacional. Hoje, a China está desenvolvendo sua própria tecnologia e trabalhando duro para exportar essa tecnologia.

Ao longo dos próximos anos, os investidores chineses vai encontrar o crescimento que eles desejam em Israel, mas a longo prazo  o investimento irá deslocar a ideia de que toda a tecnologia gira em torno do Vale do Silício. Quando isso acontecer, o mundo verá a indústria de tecnologia chinesa ao que ela realmente é: uma concorrente e colaboradora que participa em igualdade de condições.