Arábia Saudita em crise


Arábia Saudita em crise

Arábia Saudita anunciou que os salários dos funcionários públicos deixarão de ser calculados de acordo com o calendário islâmico, mas de acordo com o calendário gregoriano ocidental.

A mudança está prevista para ser rejeitada por conservadores religiosos e vem como parte de enormes cortes nos gastos do governo e subsídios.

Até agora, a Arábia Saudita vinha calculando o pagamento dos funcionários públicos de acordo com o calendário lunar islâmico, em que um ano é 11 dias mais curto do que no sistema ocidental. Ao mudar para o calendário gregoriano, servidores públicos efetivamente vão ter que trabalhar 11 dias a mais por ano, sem pagamento extra.

Durante décadas, o governo saudita tem operado um Estado social generoso para os seus cidadãos, apoiadas por receitas de petróleo.

Como o preço do petróleo caiu, o governo foi forçado a tomar medidas de emergência para reduzir essas despesas. No ano passado, os cidadãos sauditas viram um aumento no preço da gasolina em 80 por cento, como resultado da retirada de subsídios.

Estes cortes ainda pode não ser suficiente para equilibrar as contas. No ano passado, o déficit orçamentário do Reino ascenderam os 98 bilhões de dólares.