Cunha entra com pedido de liberdade


Cinco dias depois de ser preso na Lava-Jato, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por meio de seus advogados, entrou com pedido de liminar em habeas corpus nesta segunda-feira, 24, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4)

Cinco dias depois de ser preso na Lava-Jato, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por meio de seus advogados, entrou com pedido de liminar em habeas corpus nesta segunda-feira, 24, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Seis advogados de Cunha alegam que 'não há nenhum risco efetivo ou iminente' de que o peemedebista atrapalhe a Operação Lava-Jato.

Em entrevista concedida na manhã desta segunda à Rádio Estadão, o advogado Marlus Arns, que defende o peemedebista, afirmou não descartar a possibilidade de uso da delação premiada no processo do ex-deputado. Arns, que é especializado em delação premiada, disse que a colaboração é um instrumento grave, não um salvo conduto, e que deve sempre ser analisada em qualquer processo.