Facebook, Twitter e YouTube contra o extremismo online


Facebook, Twitter e YouTube

Facebook, Twitter e YouTube criam banco de dados com imagens e vídeos de terroristas para combater o extremismo online.

As empresas de tecnologia, que tem sido criticadas por permitir que suas plataformas online possam se tornar uma ferramenta fundamental de recrutamento para o Estado Islâmico e outros grupos extremistas, disseram que eles agora são capazes de identificar propaganda de forma mais eficaz através da partilha de seus recursos.

A iniciativa vem depois que MPs alertam que sites de mídia social não estavam dispostos a reprimir o terrorismo, porque temiam que fossem "prejudicar suas marcas".