25 de abr de 2017

Falta de transparência prejudica a avaliação dos trilhões de dólares da Aramco

A principal discussão em curso é o nível geral de transparência oferecido pela liderança da Aramco, que é apoiada pelo governo saudita

A oferta pública de ações da Saudi Aramco, prevista para arrecadar entre 100 e 400 bilhões de dólares, cerca de 5 por cento da empresa, continuará nas manchetes até seu lançamento. Ultimamente, as discussões sobre a avaliação da Aramco têm sido intensas, e o júri ainda está por fora com relação a um preço exato. O IPO da Aramco será uma mudança de jogo, impulsionando a maior companhia de petróleo do mundo para os mercados financeiros. As estimativas atuais de capitalização de mercado de 1 a 2 trilhões são baseadas em avaliações de reservas de hidrocarbonetos da Aramco. Essas estimativas colocam a gigante petrolífera muito à frente de qualquer outra empresa de capital aberto. Duas grandes questões ainda precisam ser respondidas no entanto, uma das quais tem sido amplamente ignorada pelos principais meios de comunicação.

A principal discussão em curso é o nível geral de transparência oferecido pela liderança da Aramco, que é apoiada pelo governo saudita.

Ao mesmo tempo, há uma questão ainda mais crítica que raramente é abordada. A Saudi Aramco, está totalmente integrada nas discussões geopolíticas e financeiras do Reino. Atualmente, as estratégias de produção e exportação da Aramco estão 100 por cento ligadas às aspirações geopolíticas globais do Reino. Como um analista afirmou anos atrás, o poder do Reino no mundo depende totalmente de suas reservas de petróleo bruto e números de produção. A configuração do IPO da Aramco deve ser avaliada neste contexto.

O IPO da Saudi Aramco será um agitador de mercado de proporção desconhecida. O seu impacto financeiro global será imenso, uma vez que, independentemente do resultado do IPO específico, o Reino já está a utilizar a sua influência para ter acesso a novos investimentos. A viagem do rei Salman à Ásia no mês passado é um dos resultados mais claros da alavancagem do IPO. A maioria dos negócios na China, Índia e Indonésia foram vinculados à Aramco. Mais interessante, no entanto, serão as decisões das instituições financeiras internacionais, sabendo que eles não terão qualquer voz no futuro da empresa. O Reino nunca permitirá que a estratégia da Aramco seja alterada por indicadores financeiros globais "normais". O IPO da Aramco já está sendo usado como um instrumento político do Reino.