Catar isolou-se e agora paga o preço

Nenhum país do mundo foi tão paciente com as transgressões políticas do Catar, como a Arábia Saudita, Bahrein e os Emirados Árabes Unidos

Nenhum país do mundo foi tão paciente com as transgressões políticas do Catar, como a Arábia Saudita, Bahrein e os Emirados Árabes Unidos.

Durante 21 anos, o Catar desconsidera todos os conceitos do Golfo e o comportamento da sua vizinhança. Vinte e um anos e as repercussões das políticas do Catar estão a piorar ano após ano.

Os 21 anos de paciência do Golfo foram entendidos por Catar como fraqueza, não sabedoria de não querer perder um país fraternal. Os três países repetidamente exerceram esforços políticos e diplomáticos sem qualquer resposta verdadeira da outra parte.

Em 2014, o Emir do Catar prometeu e concordou com o acordo de Riade para acabar com as políticas nocivas de seu país. No entanto, e como de costume, não se comprometeu com nenhuma das suas promessas e os embaixadores foram retirados durante esse período.

A interferência nos assuntos internos e a criação de caos e instabilidade tornaram-se intoleráveis. Por conseguinte, seis países decidiram cortar todas as relações diplomáticas com o Catar na tentativa de acabar com os métodos desastrosos de Doha e com o isolamento sem precedentes.

O Catar havia explorado a vontade da Arábia Saudita de não perder o irmão mais novo. O pequeno país do golfo manipulou e enganou todos até que cortasse todos os laços políticos e de fraternidade.

Felizmente, o país fraternal do Catar vai aprender a lição desta vez porque o dinheiro não compra geografia ou história. As ambições são acessadas através de portas, não de chave. Os países podem manipular um pouco e contradizerem muito, mas não podem aguentar os fatos e a realidade. Um país não pode sobreviver isolado dos vizinhos e arredores.