5 de jun de 2017

Venezuela é um lugar sombrio e fértil para o medo

A Venezuela é um lugar sombrio e fértil para o medo: pessoas buscam alimentos no lixo, a malária está de volta e crianças mortas são colocados em caixões de papelão

A Venezuela é um lugar sombrio e fértil para o medo: pessoas buscam alimentos no lixo, a malária está de volta e crianças mortas são colocados em caixões de papelão.

A inflação é maior do que no Zimbabwe, as taxas de mortalidades violentas são semelhantes às da Síria e a escassez de recursos é catastróficas.

Hoje, os venezuelanos tomam as ruas, os celulares nas mãos, irradiando para o céu via Periscope, Instagram e Facebook, eles travam uma lutam épica pela liberdade, mas também contra uma ditadura narcisista e cruel.

A democracia não existe mais. Os líderes da oposição foram encarcerados, exilados ou mortos. Seus passaportes não valem nada. E eles não têm permissão para embarcar em voos locais. O regime está no controle da maioria dos meios de comunicação.

Maduro continua a afirmar seu poder, ele desafia as manifestações públicas. Em maio, o ditador anunciou a criação de uma "assembléia constituinte", encarregada de reescrever a constituição. A assembléia permitiria que Maduro essencialmente governasse indefinidamente sem eleições.

Chegou o momento de escolher. Liberdade ou tirania. Democracia ou ditadura. Eleições gerais agora ou uma nova Cuba para sempre. O povo da Venezuela já não tem a opção de esperar.