quarta-feira, 19 de março de 2014

Michell Hilton

Mostra em NY reúne 'arte degenerada' banida pelos nazistas


Na Alemanha nazista dos anos 1930, a arte moderna era rotulada como "arte degenerada" e banida pelo Terceiro Reich.

Várias dessas obras - consideradas decadentes e "não-germânicas", por não se enquadrarem na estética aprovada pelo regime - foram confiscadas pelos nazistas de museus e coleções particulares e exibidas em uma exposição em Munique, em 1937.

Nessa mostra de "arte degenerada" em Munique, obras de artistas como Vasily Kandinsky, Paul Klee, Max Beckmann, Oskar Kokoschka e o brasileiro (nascido na Lituânia) Lasar Segall, entre vários outros, foram penduradas intencionalmente de maneira torta e acompanhadas por slogans pejorativos com o objetivo de ridicularizar o modernismo.

Muitos desses nomes voltam agora a ser reunidos na exposição "Degenerate Art: The Attack on Modern Art in Nazi Germany, 1937" ("Arte Degenerada: O Ataque contra a Arte Moderna na Alemanha Nazista, 1937", em tradução livre), que foi inaugurada na última sexta-feira, 13, na Neue Galerie, em Nova York.

Primeira grande exposição nos Estados Unidos em mais de 20 anos a abordar o tema em profundidade, a mostra na Neue Galerie reúne mais de 50 pinturas, esculturas, fotografias e objetos da época.

Além de apresentar obras-primas do modernismo classificadas como "degeneradas" pela Alemanha nazista, o museu também explora o contraste entre esses trabalhos e a arte oficial apoiada pelo Terceiro Reich.

Após a exposição de 1937 – que percorreu diversas partes da Alemanha e da Áustria –, a maioria das obras "degeneradas" foi vendida, perdida ou supostamente destruída.

A mostra em Nova York é realizada em um momento em que a relação do regime nazista com a “arte degenerada” volta a despertar interesse, especialmente após a descoberta, no fim do ano passado, de um acervo bilionário de cerca de 1,5 mil obras confiscadas pelo regime nazista e com o filme “Caçadores de Obras-Primas”, dirigido e estrelado por George Clooney.

A exposição fica em cartaz até 30 de junho.