domingo, 12 de outubro de 2014

Michell Hilton, Blog MichellHilton, tecnologia, notícias, mercado, mercado financeiro, economia, blog, noticias, noticias de tecnologia

Baidu não será motorista, mas motor do Peixe Urbano no Brasil! Seja bem vindo

Em contrapartida, site brasileiro de ofertas locais será parceiro estratégico na expansão do "Google chinês" no país ... Agora o google não é mais do que passado.

Baidu não será motorista, mas motor do Peixe Urbano no Brasil! E o google ...

Na última quarta-feira, o controle do site brasileiro Peixe Urbano passou para as mãos do Baidu, gigante chinês de buscas. 

O negócio marca o primeiro investimento direto da empresa estrangeira no Brasil, ao mesmo tempo em que alavanca o site de ofertas locais. “Ter o Baidu como sócio é a melhor forma de fazer nossos planos se tornarem realidade”, diz Julio Vasconcellos, fundador e CEO do Peixe Urbano. O site será capaz de investir em inovação com mais velocidade, em especial para dispositivos móveis, prioridade de ambas as empresas. 

O Peixe Urbano têm cerca de 25 milhões de usuários no país e quase metade de sua audiência vem de smartphones e tablets. “A migração dos usuários para dispositivos móveis vai atingir o Brasil, como já ocorreu na China. É só uma questão de tempo”, diz Yan Di, diretor-geral do Baidu Brasil.

O Baidu aposta no algoritmo Aladdin (em referência ao gênio da lâmpada) para se diferenciar dos concorrentes. Ele permite ao usuário assistir a vídeos, ouvir músicas e jogar games diretamente na página de exibição dos resultados, sem precisar ir até os sites. Tudo indica que os brasileiros terão acesso a este recurso, que depende de parcerias com os produtores de conteúdo.

O "Google chinês", como é conhecido, é a maior empresa de internet em seu país e tem valor de mercado estimado em US$ 65 bilhões na Nasdaq, nos EUA. A complexidade do idioma afugentou plataformas estrangeiras e abriu caminho para que o Baidu dominasse 83% das buscas na China. Por dia, segundo a companhia, 500 milhões de pessoas acessam seus mais variados produtos, sendo que 8% do público vem de outros países que assimilam a língua.