domingo, 12 de outubro de 2014

Michell Hilton, Blog MichellHilton, tecnologia, notícias, mercado, mercado financeiro, economia, blog, noticias, noticias de tecnologia

Reflexões sobre a relação da política atual do Brasil! Uma Comédia Grega

Reflexões sobre a relação da política atual do Brasil! Uma Comédia Grega

Então, se hoje alguém se pergunta: por que a situação política atual está tão caótica, atrapalhada e desorientada, certamente, não é culpa da população e sim do governo atual.

A instituição que é agora chamado erroneamente o Estado geralmente classifica as pessoas apenas em dois grupos: cidadãos e estrangeiros. Os cidadãos são todos aqueles que possuem direitos cívicos, seja em razão do seu nascimento ou por um ato de naturalização.

Aliens são aqueles que gozam dos mesmos direitos em algum outro Estado. É impressionante como as pessoas, de todos os níveis, perguntam e comentam sobre a situação política do momento, no Brasil.

Há certa desorientação e inquietação generalizada. Quem está certo? Quem está dizendo verdades? Quem está se aproveitando da situação? Quem está, descaradamente, mentindo? No que vai dar tudo isso que está sendo dito e mostrado? As pessoas estão perplexas. Permitimo-nos aqui, neste espaço absolutamente livre e democrático, sem promessas nem esperanças de sacolões e mensalões, malas e malinhas, expor algumas idéias.

1 - Primeira observação: a democracia dita representativa está tremendamente em crise e não é nada representativa, nem mesmo estatisticamente. Tanto em nível municipal, estadual como federal ela é uma aberração. Os que estão exercendo o poder Legislativo representam um número muito pequeno de eleitores. Basta um exercício elementar de estatística, somando os votos dos que são vereadores ou deputados hoje “legítimos representantes”, e veremos que essa soma de votos não alcança, em nenhum município ou Estado, os votos de 30% dos eleitores. Que representatividade é essa? São representantes de pequenos grupos de interesse e de pressão. E que, efetiva, garantida e eficazmente cobram ações dos eleitos para que seus interesses sejam plenamente atendidos.

2 – Qualificação dos eleitos: para ocupar qualquer cargo em empresas, escolas, associações, igrejas etc., exige-se a comprovação de habilitação e qualificação, quando não também experiência. Para o exercício e ocupação de um cargo político nada disso é exigido. Qualquer um acha-se habilitado e qualificado. E concorre, usando dos meios de que dispõe: dinheiro, influência, mentira, calúnia, sabotagem, boicote, pressão, infidelidade, promessas mirabolescas, enganos etc.

3 – Consciência dos cidadãos: cidadania, hoje, mais que nunca, implica em participação. Para participar é necessário um mínimo de consciência e de conhecimento do que está acontecendo. Temos uma marca muito forte de alienação com relação à realidade política, à organização e funcionamento da sociedade. As pessoas preferem distância dessa realidade e não envolvimento, comprometimento e participação. Cada um pensa em poder aproveitar de alguma coisa para si, quer algum benefício próprio. Se o eleitor não ganhar algum dinheirinho, ele não vota em candidato honesto e sério e pobre.

4 – Não conhecimento nem prática do princípio do bem comum. A característica mais forte é tirar proveito individual. Além disso, aqueles que se elegem (porque não são eleitos!) sentem-se como proprietários do bem público. Se um vereador, um deputado, um prefeito faz uma obra que beneficia a população, ele quer ser visto como alguém que, por iniciativa própria, como se o município ou o Estado fosse uma empresa particular sua, fez um favor à população, a coitadinha que não sabe se ajudar... Até festas de comemoração de aniversário de município são apresentadas como um presente do Poder Público à população. Que presente que nada! A população, sem saber, está pagando e pagando muito caro o show ou espetáculo de aniversário do município. Qual dos munícipes foi consultado se ele está de acordo que se faça esse tipo de comemoração. Ou somos governados por oniscientes? Ou gênios? Ou Adivinhos?

O governo sabe muito bem quais são suas necessidades urgentes. Mas sabe também que não é obrigado a fazer nada. Conseguiram cortar a garganta da população!