domingo, 14 de dezembro de 2014

Michell Hilton

Japão eleições antecipadas: eleitores escolhem novo Parlamento!

Os eleitores japoneses foram às urnas domingo para escolher um novo parlamento depois de o país inesperadamente caiu em uma recessão.

Michell Milton, MichellHilton.com, Michell Hilton em Curitiba, Tecnologia, Vale do Silício, Brasil, Mídia, notícias e publicidade, notícias de tecnologia

O primeiro-ministro Shinzo Abe descreveu as eleições parlamentares de encaixe como um referendo sobre suas políticas econômicas emblemáticas.

Notícias da recessão foi um golpe para a sua tão apregoada "Abenomics" - o estímulo e pacote de reformas económicas ele introduziu desde que assumiu o poder em 2012.

"A eleição será realizada de perguntar ao público se vamos (mover) para a frente com Abenomics ou acabar com ela", disse Abe em novembro, quando ele anunciou o fechamento do parlamento.

Sondagens domingo projetada coalizão governista de Abe vai marcar uma vitória esmagadora, tendo cerca de 300 dos 475 assentos na Câmara Baixa do Japão.

Emissora estatal do Japão NHK projetada Partido Liberal Democrático de Abe vai ganhar entre 306-341 assentos e CNN afiliada TV Asahi projetou o LDP vai ganhar 298 assentos.

Uma eleição não foi realmente necessário até o final de 2016. E muitos se perguntam por que Abe, com uma maioria considerável na câmara baixa - 295 de 475 assentos - correria o risco de ceder o poder tão cedo.

E. Keith Henry, analista e fundador da Ásia Estratégia, um governo grupo de consultoria política baseada em Tóquio, disse que encontrou o timing "intrigante".

"Por que convocar uma eleição quando você tem uma posição dominante?" ele perguntou.

De fato, as pesquisas sugerem que a maioria do público não entende por que Abe pediu uma eleição agora, e muitos criticam a decisão de arcar com os custos durante um período de recessão.

As pesquisas mostram que o LDP governando tem apoio de cerca de 30%, e o principal partido da oposição - o Partido Democrático do Japão - tem entre 10% e 13% de apoio.

O PDL está no poder quase de forma consistente desde 1955. Durante esse período, o DPJ tem apenas regido por duas vezes - brevemente na década de 1990 e, novamente, 2009-2012.