quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Michell Hilton

CIA matou prisioneiros em Guantánamo e fez com que pareça suicídio

Um ex-guarda de Guantánamo falou pela primeira vez sobre o que ele alega que foi um assassinato cometido pela CIA contra detidos, coberto como um suicídio triplo.

CIA

O sargento do Exército, Joseph Hickman estava de guarda no campo de prisioneiros de Cuba na noite em que morreu, e chama a versão oficial dos fatos "impossível".

"Eles amarraram os três as mãos e os pés juntos, enfiar trapos goela abaixo, colocar uma máscara sobre seu rosto, fez um laço, pendurou no teto do lado do bloco de celas, simultaneamente", o ex-Marine disse.

"Em um bloco de celas onde os guardas estão ordenados para verificar os detentos a cada quatro minutos."

CIA

Houve também uma inspeção apenas algumas horas antes, disse Hickman, e os guardas não tinham encontrado nada.

Ele já escreveu um livro, Murder at Camp Delta, que ele espera que seja um passo no sentido de descobrir a verdade.

"Eu estava tentando colocar Guantánamo atrás de mim. Eu não queria lembrar. Era como um sonho ruim que eu estava tentando colocar no passado", disse ele.