quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Michell Hilton

Hacker Britânico pode estar por trás do ataque a CENTCOM

Um hacker britânico de 20 anos de idade, que já foi preso por publicar dados pessoais do ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, é dito ser o líder do grupo por trás do ataque a conta de Twitter do CENTCOM na segunda-feira.

News

Os investigadores acreditam que o hacker, cujo nome verdadeiro é Junaid Hussain, "Cyber ​​Califado", um grupo de hackers que suporta o Estado Islâmico, e é responsável por vários ataques em contas de Twitter.

VEJA TAMBÉM: Contas sociais das Forças Armadas dos EUA invadidas por hackers

Não está claro, no entanto, se Hussain estava pessoalmente envolvido ao ataque a conta de Twitter de CENTCOM, uma organização norte-americana que supervisiona as operações militares no Oriente Médio.

Flashpoint Partners, uma empresa que monitora extremistas on-line, também acredita Hussain estava por trás do ataque, e que ele é o líder do Cyber ​​Califado. "É muito provável que ele era a pessoa por trás disso", Alex Kassirer, pesquisador Flashpoint, disse, embora tenha acrescentado que é impossível saber com certeza.

Hussain era anteriormente conhecido por seu apelido "truque". Ele usou o nome como líder de um grupo de hackers chamado "TeaMp0isoN", que também foi conectado com o grupo de hackers Anonymous.

Em 2011, Hussain ganhou notoriedade quando ele invadiu a conta de email do ex-assessor especial de Blair Katy Kay, e acessado o seu livro de endereços. Ele, então, publicou as informações pessoais de vários funcionários do governo, incluindo Blair e sua família, no site Pastebin.

Um ano depois, Hussain foi condenado a seis meses de prisão por esse crime, e por inundar hotline anti-terror do Reino Unido com trotes.

Após sair da prisão, Hussain fugiu do Reino Unido enquanto sob investigação por "alegações de distúrbios violentos", e viajou para a Síria para lutar contra o regime do presidente Bashar al-Assad, de acordo com a imprensa britânica.

Enquanto na Síria, ele teria adotou o nome de Abu Hussain al-Britani.

Muitos detalhes que cercam Hussain são enfadonhas e especulativa, mas de acordo com a imprensa britânica, Hussain foi um dos três prisioneiros militantes ISIS nascidos britânicos guardam, inclusive jornalistas James Foley e Steven Sotloff. Outra dessas três britânicos é o militante ISIS Abdel-Majed Abdel Bary, que é acusado de ser também "Jihadi John", o militante que assassinou Foley, Sotloff e outros prisioneiros de alto perfil.