sábado, 17 de janeiro de 2015

Michell Hilton, Blog MichellHilton, tecnologia, notícias, mercado, mercado financeiro, economia, blog, noticias, noticias de tecnologia

Poltergeist quer alcançar público infantojuvenil

Poltergeist

Poltergeist: O Fenômeno, remake do filme de mesmo nome lançado em 1982 e indicado a três categorias técnicas no Oscar.

Porém, os fãs do medo deverão diminuir as expectativas. Em entrevista ao site Collider, o ator Sam Rockwell, que faz parte do elenco da nova versão, disse que o longa será mais leve e terá como protagonista uma criança, e não a mãe, como no original.

“Diane Freeling (JoBeth Williams) foi a personagem principal na maior parte do primeiro filme e agora será um garoto de 10 anos. O roteiro será apresentado pelo ponto de vista dele”, afirma Rockwell. “Então é quase como um filme voltado para crianças e adolescentes, não acredito que seja lançado com uma classificação indicativa alta.”

Outra novidade revelada pelo ator é que o longa será lançado com cópias em 3D e vai flertar com o ritmo de um enredo de aventura. “Não será o tipo tradicional de terror. É um tipo diferente. É quase uma aventura. Mas, assim como o original, vai falar sobre uma criança abduzida.”

No clássico comandado por Steven Spielberg e Tobe Hooper, o casal Steven e Diane Freeling tem sua casa assombrada por fantasmas. A situação complica quando a filha Carol Anne some dentro do armário do quarto e a família só consegue se comunicar com a menina através de um canal de TV a cabo sem sinal. Os pais buscam ajuda de uma médium para trazê-la de volta, enquanto enfrentam espíritos medonhos.

Os efeitos especiais utilizados no filme surpreendem até hoje e sua popularidade se multiplicou por conta das lendas que rondam a produção. Há boatos de assombrações nos sets de filmagens e casos estranhos de mortes relacionadas ao elenco original.

A nova trama, dirigida por Gil Kenan (A Casa Monstro), vai pegar carona na boa fase do terror, que tem conquistado altas bilheterias. Caso de Annabelle, que em 2014 arrecadou mais de 255 milhões de dólares do mundo, e levou cerca de 3,6 milhões de pessoas aos cinemas no Brasil.