quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Michell Hilton

Tóquio a 24 horas do fim do ultimato do Estado Islâmico!

O governo japonês está submetido a uma forte pressão nesta quinta-feira, a 24 horas da expiração do ultimato do grupo Estado Islâmico (EI), que ameaça executar dois reféns japoneses se não receber 200 milhões de dólares. 

Tóquio a 24 horas do fim do ultimato do Estado Islâmico!

O primeiro-ministro, Shinzo Abe, e o ministro das Relações Exteriores, Fumio Kishida, ativam desde quarta-feira todos os canais diplomáticos com seus principais aliados (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Turquia, Itália, Irã, Jordânia e outros) para tentar obter a libertação imediata dos japoneses Haruna Yukawa e Kenji Goto, sequestrados pelos jihadistas.

Resgate – O ultimato expira "às 14h50 de sexta-feira" (03h50 de Brasília), indicou na quarta-feira o porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga, acrescentando nesta quinta-feira que o Japão "ainda ignora a situação exata dos reféns", na falta de contato nem mesmo indireto com seus sequestradores. Em uma troca de mensagens pela internet com um jornalista da televisão pública NHK, um "porta-voz do EI" insiste que o grupo jihadista não fará concessões, afirma para o governo aceitar sua exigência e reitera que "o combate não é econômico, mas psicológico". O porta-voz do governo japonês evita sistematicamente responder diretamente a pergunta sobre se o Estado pagará ou não. "Nossa posição não mudou, não cederemos às ameaças terroristas", repete, dando a entender que o resgate não será pago.