domingo, 22 de fevereiro de 2015

Marco Archer executado na Indonésia chorou! Diz padre

O traficante brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira foi executado na Indonésia sem direito à extrema-unção.

Segundo o padre Charles Burrows, que afirma ter sido impedido pelas autoridades do país de dar o último conforto ao condenado antes do fuzilamento ocorrido no dia 17 de janeiro.

Em entrevista ao grupo de mídia australiano "Fairfex Media", reproduzida pelo jornal "The Sydney Morning Herald", o padre católico, que atua na Indonésia há mais de 40 anos, disse que um desentendimento impediu o acesso dele à ilha onde fica a prisão e, com isso, a realização dos últimos rituais de reconciliação e penitência.

"Os guardas foram muito educados, mas o procurador não me dava a carta para entrar na ilha. A embaixada brasileira ficou muito chateada. Eles me disseram que ninguém se preocupou em cuidar dele [Archer]. Normalmente, há um momento em que o pastor ou padre vão para consolá-los. Ninguém consolou o Marco", disse, o padre, que detalhou ainda os momentos finais de desespero do brasileiro, que era católico.
"Ele teve que ser arrastado da cela chorando e gritando 'me ajude'", disse Burrows, acrescentando ainda que o brasileiro defecou nas calças.

Segundo o padre, o brasileiro chorou "durante todo o tempo até os últimos minutos".