domingo, 15 de fevereiro de 2015

Taxi, de Jafar Panahi, foi o ganhador do Urso de Ouro

Taxi, de Jafar Panahi, foi o ganhador do Urso de Ouro no 65º Festival de Berlim. 

Taxi, de Jafar Panahi, foi o ganhador do Urso de Ouro

“Panahi criou uma carta de amor pelo cinema. Seu filme é preenchido pelo amor por sua cultura, seu povo e seu país”, disse Darren Aronofsky. O diretor está banido de fazer cinema por 20 anos no Irã.

Realizado pelo dissidente iraniano Jafar Panahi, era o grande favorito ao Prêmio principal do Festival de Berlim.

 A sobrinha do cineasta, a pequena Hana, subiu ao palco para receber o prêmio, chorando.

No filme, o próprio Jafar Panahi, conduz um táxi em Teerão, mantendo conversas com as pessoas à medida que as transporta, criando uma espécie de mosaico da sociedade iraniana. Foi esta longa-metragem que seduziu o júri presidido pelo cineasta americano Darren Aronofsky. Apesar de todas as limitações, o realizador criou "uma carta de amor ao cinema", foi assim que o júri definiu a obra.

Antes, na sexta-feira, já Taxi tinha recebido o prémio Fipresci, da Federação Internacional de Críticos de Cinema. Em 2013, também em Berlim, já havia sido galardoado pelo argumento de Close Curtain/Parde. Já em 2006 o festival deu-lhe o Prêmio Especial do Júri por Offside e nomeou-o membro honorário.