quarta-feira, 29 de abril de 2015

Curitiba: Tropa de Choque volta a atacar professores balas de borracha



Tropa de Choque da Polícia Militar em Curitiba volta a avançar sobre professores com bombas e balas de borracha.

"Não há bomba na Assembleia, a sessão tem que continuar", disse o presidente da Assembleia. Ele é apoiado por deputados que defendem a continuidade da sessão plenária que deve votar mudanças no custeio da ParanaPrevidência. Na prática, proposta muda a fonte pagadora de mais de 30 mil aposentadorias, fazendo que o conta seja dividida entre o governo estadual e as contribuições dos servidores.

A todo momento são jogadas bombas de efeito moral em frente a Assembleia Legislativa do Paraná. Concentração de gás lacrimogênio é alta, segundo manifestantes. Este é o segundo dia de confronto entre professores e policiais. Há três dias, professores estão mobilizados.

O projeto de lei muda a fonte de pagamento de mais de 30 mil beneficiários para o Fundo Previdenciário. Com isso, o governo deixa de pagar sozinho essas aposentadorias e a divide a conta com os próprios servidores, já que o fundo é composto por recursos do Executivo e do funcionalismo. A medida cria uma economia de R$ 125 milhões mensais ao governo.

RESUMO

- Deputados tentam votar projeto de lei que altera custeio da ParanaPrevidência.
- Policia e professores entraram em confronto.
- Pelo menos dez pessoas estão feridas, que buscaram abrigo na Prefeitura de Curitiba.
- Presidente da Alep ignora conflito e determina a continuidade na sessão plenária.
- Deputados chegaram a pedir a suspensão da votação.

Tropa de Choque volta a avançar sobre professores com bombas em Curitiba

Equipe do Samu atendem feridos de confronto entre policiais e professores no prédio da Prefeitura de Curitiba. Enquanto isso, sessão plenária ocorre dentro da Assembleia Legislativa por determinação do presidente Ademar Traiano (PSDB).

Batalhão de Choque avança sobre barracas de professores, fazendo uso de bombas e balas de borracha. Desde segunda-feira, docentes estão acampados no Centro Cívico de Curitiba. Eles são contrários ao projeto de lei que pede mudanças na ParanaPrevidência.

"O culpado é o governador Beto Richa, e os deputados são cúmplices", diz o deputado Nereu Moura (PMDB).

INSCREVA-SE NA NEWSLETTER!