segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Michell Hilton, Blog MichellHilton, tecnologia, notícias, mercado, mercado financeiro, economia, blog, noticias, noticias de tecnologia

Manual do agente do serviço secreto

Manual do agente do serviço secreto

Poucos sabem que os membros do serviço secreto realmente são pessoas com habilidades excepcionais. 

O serviço tem basicamente duas funções: proteção e investigação. Sua função principal é de fato a proteção do presidente, e para que isso seja possível, os caras passam por treinamentos pesados e desenvolvem técnicas que nós, meros mortais, sequer podemos imaginar.

Para conhecer um pouco mais da formação desses anjos armados da lei, separamos a descrição do processo de formação ao qual são submetidos os agentes:

10 Aprender a fazer “cavalo-de-pau” - Todos os agentes e funcionários são treinados em direção evasiva. Isso inclui aprender a executar o tão conhecido “cavalo-de-pau”. O diferencial é que eles aprendem a executar a manobra em locais improváveis, como em ruas estreitas ou entre outros carros. A ideia é buscar a rotação quase perfeita de 180 graus, mesmo em ambientes mais complicados, para garantir a efetiva segurança de seu protegido.

9 Disfarces - Difícil não lembrar de algumas comédias em que os agentes usam disfarces estranhos e tentam não parecer óbvios. No entanto, o trabalho de disfarce do serviço secreto é extremamente sério. Agentes do serviço trabalham disfarçados rotineiramente em uma ampla variedade de investigações criminais. Alguns dos casos mais investigados utilizando disfarces são os que podem envolver conspirações contra o presidente ou fraudes financeiras e os profissionais são treinados para desenvolver aptidões dignas de atores com experiência na profissão.

8 Medicina de emergência - O treinamento para o serviço secreto inclui medicina de emergência, ou mais especificamente, a capacidade de realizar as tarefas básicas esperadas de um médico socorrista. O treinamento inclui saber não só ressuscitação cardiopulmonar e o uso de um desfibrilador, mas também saber como usar cada item de um kit de primeiros socorros. Isso significa que eles devem saber como tratar lesões como queimaduras, e como colocar uma tala em uma fratura, entre outras habilidades de emergência.

7 Nadadores de resgate - Cada estagiário do serviço secreto passa por aulas de segurança básica na água e técnicas de sobrevivência, mas os agentes que guardam o presidente ou outros dignitários também deve se qualificar como nadadores de resgate, utilizando o programa de “nadador de resgate incondicional” da Guarda Costeira para a certificação, afinal de contas, se o helicóptero do presidente for forçado a pousar na água, o trabalho de um agente não é ser capaz de nadar para salvar a si mesmo, e sim garantir a sobrevivência de seu protegido.

6 Atiradores - Todos os agentes recebem uma quantidade enorme de armas e formação específica para utilizá-las. No entanto, dentro do serviço secreto existe uma unidade de atiradores de elite . Eles podem ser vistos nos telhados da Casa Branca e em outros lugares estratégicos, treinados para tirar ameaças iminentes. Eles trabalham em duplas, cada um com uma arma de calibre não revelado e binóculos de alta potência. Quando a ameaça for encontrada, eles se comunicam por meio de pistas visíveis, como bandeiras por exemplo, para dizer ao outro atirador como ajustar seu remate em relação ao vento. A unidade conta atualmente com menos de 100 membros e requer um período de 9 semanas de treinamento intenso. Mais da metade das pessoas que tentam entrar para a unidade falham.

5 Ser discreto (por um tempo pelo menos) - Estando em contato com as altas cúpulas do governo, estes agentes acabam ouvindo coisas que, caso vazem, podem ser a ruína do país. Segundo o ex-porta-voz do serviço secreto Jim Mackin, os agentes sabem que devem permanecer em silêncio "a partir do momento em que entram no trabalho", e que eles devem levar os segredos para a sepultura.

4 Entender de computadores - Parte do treinamento para se tornar um membro do serviço secreto envolve computação forense, já que muito do seu trabalho envolve características de fraudes de cartão de crédito, hipotecárias e bancárias. Em 2002, o serviço secreto exibiu seu domínio sobre o computador, resgatando uma adolescente da Flórida desaparecida depois de ser atraída por um maníaco da internet.

3 Controlar as emoções - A esmagadora maioria do treinamento do serviço secreto é projetada de modo que os agentes deixem de responder às situações da forma como os seres humanos normalmente respondem. Este tipo de treinamento anti-pânico geralmente é executado contra intuitivamente. Por exemplo, quando John Hinckley Jr. tentou assassinar Ronald Reagan e começou a disparar sua arma, praticamente todo mundo na cena instintivamente abaixou - exceto o agente Tim McCarthy, cuja formação levava instintivamente a tornar-se tão grande quanto possível em frente ao presidente, enquanto agentes Ray Shaddock e Jerry Parr empurravam Reagan para a limusine.

2 Dizer “não” ao presidente - O presidente pode ser o governante do país, mas ele não tem poder sobre os detalhes de sua própria segurança. Na verdade, muitas vezes os presidentes eleitos e suas famílias ficam extremamente frustrados ao saber das centenas de normas em vigor que limitam a sua liberdade de movimento, todas impostas pelo serviço secreto. Enquanto fazia suas corridas matinais, George W. Bush pedia aos agentes se eles poderiam pelo menos lhe dar a ilusão de que estava correndo sozinho. Já o ex presidente Bill Clinton era o pesadelo do serviço secreto, já que ele sempre dava um jeito de sair sozinho.

1 Ficar na linha de fogo - Parte do fascínio pelas ações do secreto é a ideia de que um agente está sempre disposto a ficar na linha de fogo, a fim de proteger o presidente. Alguns casos são bem notáveis: O agente Tim McCarthy levou um tiro no peito no lugar de Ronald Reagan, em março de 1981. Entretanto, um detalhe importante é a proteção do Serviço Secreto aos chefes de Estado de todo o mundo, quando eles visitam o país. Mas se engana quem pensa que os agentes se jogam apenas na frente de balas. Durante o governo de Jimmy Carter, um agente se colocou entre Amy, a filha de Carter, e um elefante que fugiu no meio de um show de animais na Virginia.