quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Giulia Tofana, a assassina feminina mais prolífica da história

O período que se seguiu à Renascença foi uma época em que as mulheres não tinham muito poder financeiro, social ou político.

Nascida em Palermo, na Itália, Giulia Tofana era supostamente muito bonita, assim como sua mãe, embora não haja retratos conhecidos dela.

O que se sabe é que Giulia era um envenenador profissional, ajudando mulheres infelizes a conseguir "divórcios" precoces e, quando foi executada em 1659, ela teria sido responsável pela morte de mais de 600 homens.

Giulia criou um veneno muito bom que ela chamou de Aqua Tofana. Sua composição exata é desconhecida, mas sabe-se que o arsênico, a beladona e o chumbo eram componentes da mistura; ingredientes que também foram utilizados nos cosméticos da época.

Ela praticou seu ofício sorrateiramente por décadas.

Dizia-se que a mistura não tinha odor, cheiro ou sabor, o que tornava muito fácil para uma esposa infeliz escorregar um pouco na comida ou bebida do marido.

O negócio real de Giulia foi revelado quando uma de suas clientes colocou o veneno na sopa do marido e depois se arrependeu, impedindo-o de comê-lo.

Ele ficou desconfiado e exigiu saber por quê. Sua esposa confessou depois que ela foi levada para as autoridades papais e torturada.

Mesmo depois da confissão da esposa, Giulia Tofana não foi presa imediatamente. Por um lado, a maioria de seus clientes era muito grata por seus serviços e não queria que ela fosse capturada. 

Sua filha e empregados foram condenados à morte por cumplicidade e, algum tempo depois, a própria Giulia acabou sendo encontrada e executada.

Talvez seja bom que o divórcio seja uma opção hoje.