quinta-feira, 29 de novembro de 2018

O Iraque era melhor nos dias de Saddam

Na época de Saddam Hussein, que foi morto em 2006, era seguro sair à noite no Iraque. Hoje muitas pessoas dizem adeus às suas famílias antes de saírem de casa.

Pode ter havido sectarismo no governo de Saddam, mas não na sociedade iraquiana. As pessoas geralmente eram tolerantes. A maioria não sabia se seus vizinhos eram xiitas ou sunitas. Hoje existem barreiras que separam os bairros sunitas dos xiitas.

O Iraque no final da década de 1970 e toda a década de 1980 foi uma nação muito próspera e até progressista. O Iraque tinha a reputação de ter um grande sistema de educação naquela época. Saddam pode não ter tido um grande papel nisso, já que herdou o país dessa maneira, mas, apesar disso, muitas pessoas sentem nostalgia.

O álcool estava disponível e ninguém lhe faria mal algum por beber.

Os serviços públicos eram melhores sob Saddam, mesmo durante o bloqueio internacional na década de 90. Hoje, a rede elétrica e o suprimento de água estão em frangalhos. Muito pouca infra-estrutura e hospitais foram construídos desde a invasão norte-americana, que invadiu o país em busca de armas de destruição em massa.

As armas de destruição em massa nunca foram encontradas!

O QUE TEMOS ATUALMENTE? Um país dividido em abismos religiosos, onde os cristãos são atacados, sunitas e xiitas estão uns contra os outros, sem liberdade de expressão, onde as mulheres são forçadas a aderir ao código de vestimentas do Irã, o secularismo evaporou, a segurança não existe. O governo é impotente, os serviços públicos são intermitentes, a gasolina é escassa e, para piorar, o governo é corrupto.

E toda essa miséria foi conquistada ao custo de cerca de 5 mil soldados norte-americanos e mais de 100 mil iraquianos mortos. Isso faz algum sentido?

Saddam foi condenado a morte em 30 de dezembro de 2006.