segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Prisão de Carlos Ghosn cria risco para investidores

Carlos Ghosn, que exerce funções de liderança na Nissan, Renault e Mitsubishi, foi preso no Japão sob acusação de fraude.

A Nissan disse que iria demiti-lo depois de encontrar "atos significativos de má conduta". As alegações incluem o uso de ativos da empresa para fins pessoais.

A notícia deixou os investidores não de uma, mas de três empresas em alerta.

A Nissan possui 15 por cento da Renault, sem direito a voto. O governo francês, que é o maior acionista da Renault, tem duplo direito a voto em algumas questões, como fusões. Os franceses também possuem 44 por cento da Nissan. A Nissan, entretanto, também detém uma participação na japonesa Mitsubishi Motors.

As ações da Renault terminaram o dia em queda.

Fonte: MarketWatch