segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Zimbábue sente os efeitos da hiperinflação

Os preços de alguns bens de consumo estão disparando no Zimbábue, um eco doloroso da hiperinflação que assolou o país do sul da África há uma década.

Óleo de cozinha, bebidas alcoólicas e remédios 400 por cento.

A escassez está levando as pessoas a comprarem certos produtos no mercado negro, mas por preços muito mais altos.

O déficit orçamentário deve chegar a 11,1 por cento do PIB este ano, muito acima da meta anterior de 3,5 por cento, disse o Ministério das Finanças.

Fonte: The Wall Street Journal