sábado, 20 de abril de 2019

quinta-feira, 11 de abril de 2019

sábado, 23 de março de 2019

Há uma razão pela qual há muita corrupção na África

A ajuda externa é a fonte ilimitada de alimento para a maioria dos escândalos de corrupção na África. Os políticos não se importam com a saúde econômica de seus países, porque eles recebem bilhões de dólares por ano de seus amigos ocidentais. Todos esses bilhões são mais que suficientes para fornecer-lhes imensas riquezas pessoais e um exército de criminosos para reprimir revoltas locais.

A África não é pobre. É mal administrada.

A África não é pobre. Seus recursos são roubados.

A África não é pobre. Seus níveis de pobreza são exagerados pelas ONGs (que exploram as pessoas de baixa renda). Apenas uma pequena porcentagem do dinheiro das ONGs chegam aos necessitados. A maioria é desviado ou mal administrado.

COMPARTILHE:


sexta-feira, 8 de março de 2019

Protestos varrem a Argélia

Na quinta-feira (07), o presidente "enfermo" Abdelaziz Bouteflika, que não fala em público desde que sofreu um derrame em 2013, fez sua primeira advertência aos manifestantes, dizendo que a agitação poderia desestabilizar a Argélia.

Nesta sexta-feira, milhares protestaram em todo o país contra a reeleição de Bouteflika.

Bouteflika está atualmente em um hospital de Genebra

COMPARTILHE:


domingo, 3 de março de 2019

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Crise em andamento no Sudão

O Sudão está sendo abalado por mais de uma semana de protestos contra o governo de Omar al-Bashir, provocados pela escassez de commodities básicas e por uma crise econômica profunda. Pelo menos 19 pessoas já morreram.

Al-Bashir chegou ao poder em 1989.

COMPARTILHE:


terça-feira, 20 de novembro de 2018

A África do Sul parece estar à beira de um colapso político

A África do Sul certamente parece estar à beira de um colapso político.

O governo atualmente nas mãos de Cyril Ramaphosa é acusado de corrupção. Muitos dos membros, incluindo o último presidente Jacob Zuma, foram acusados ​​de corrupção. O nepotismo também não é incomum.

Agricultores estão sendo brutalmente mortos devido à expropriação de terras sem compensação. Cidadãos brancos, asiáticos e não-africanos estão sendo marginalizados. A fonte de comida do país está ameaçada. Não há empregos para pessoas de pele clara. O atendimento de saúde é praticamente inexistente.

Estes são certamente sinais gritantes de um colapso. 

COMPARTILHE:


sexta-feira, 16 de março de 2018

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Jacob Zuma renuncia ao cargo

Alvo de mais de 800 acusações por corrupção relativa a contratos de armas do final dos anos 1990 e investigado por supostamente ter usado o Estado para favorecer empresários vinculados com concessões públicas milionárias, Jacob Zuma acatou o ultimato de seu próprio partido e renunciou à presidência sul-africana.

"Eu tenho que tomar a decisão de renunciar com efeito imediato", disse ele.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: Jacob Zuma renuncia

COMPARTILHE:


sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Depois de 37 anos, o Zimbábue tem um novo presidente

O ex-vice-presidente Emmerson Mnangagwa assumiu nesta sexta-feira (24) o cargo de presidente provisório do Zimbábue. Ele substitui Robert Mugabe, que renunciou terça-feira (21) após a tomada do controle do país por parte dos militares. A posse ocorreu em cerimônia em um estádio da capital, Harare.

O perfil de Mnangagwa ressuscitou os fantasmas do nascimento violento do Zimbábue. O homem conhecido como "O Crocodilo", por sua politica furtiva, mas efetiva, foi vinculado aos massacres de Gukurahundi.

Os assassinatos no início da década de 1980 foram perpetrados por forças de elite treinadas na Coreia do Norte e conhecidas como a Quinta Brigada. Eles eram soldados da maioria da etnia Shona, ferozmente leais a Mugabe, que foram implantados para suprimir os seguidores de Joshua Nkomo, o rival político de Mugabe.

O que se seguiu foi o assassinato indiscriminado de talvez mais de vinte mil Ndebeles. Mnangagwa foi um agente de segurança de longa data no exército do Zimbábue, mas negou qualquer vínculo com o assassinato em massa. Esta praga na história do Zimbábue nunca foi tratada abertamente e foi trazida à superfície.

COMPARTILHE:


terça-feira, 21 de novembro de 2017

Michell Hilton

Robert Mugabe renuncia à presidência do Zimbábue

Robert Mugabe

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, renunciou ao seu cargo nesta terça-feira. A informação foi divulgada pelo porta-voz do Parlamento local, Jacob Mudenda.

Chefes de Estado no sul da África estão atualmente se reunindo em Luanda para discutir como intervir na crise do Zimbábue.

Este momento anuncia uma nova era para o Zimbábue.

Parlamento do Zimbábue entrou em festa, enquanto multidões se espalhavam pelas ruas para comemorar a tão aguardada partida de Robert Mugabe.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: Robert Mugabe renuncia

COMPARTILHE:


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Mugabe deve sofrer o impeachment

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, ignorou um prazo fixado para ele renunciar, então agora ele deve ser removido do poder por meio do impeachment.

Os ativistas da oposição e a influente associação de veteranos da guerra de libertação do Zimbábue, anunciaram mais manifestações para pressionar Robert Mugabe, de 93 anos, o presidente mais velho do mundo, a renunciar depois de 37 anos no poder.

Um processo de impeachment provavelmente não levaria à demissão imediata de Mugabe e poderia levar algum tempo para ser concretizada.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: A crise no Zimbábue pode estar longe do fim

COMPARTILHE:


domingo, 19 de novembro de 2017

Michell Hilton

Robert Mugabe promete permanecer no poder

Robert Mugabe

Em um discurso no final da noite de domingo, o presidente Robert Mugabe, de 93 anos, disse que se encontrou com o comando da força de segurança do país antes de se dirigir à nação, mas prometeu permanecer no poder.

Isso provavelmente significa que não haverá uma solução pacífica para isso.

COMPARTILHE:


Michell Hilton

Alguns questionam a influência da China na crise do Zimbábue

Xi Jinping visitou o Zimbábue durante uma turnê pela África em 2015

Xi Jinping visitou o Zimbábue durante uma turnê pela África em 2015, Robert Mugabe ofereceu ao presidente chinês uma calorosa recepção e retratou as duas nações como aliados profundos.

Agora, um pouco menos de dois anos após essa visita, o presidente Mugabe, de 93 anos, que governou o Zimbábue há quase 40 anos, está sob prisão domiciliar na capital, enquanto os próprios militares circulam nas ruas, enquanto rumores apontam que Pequim pode ter dado sua bênção aos golpistas.

Menos de duas semanas antes da turbulência política atingir o país, o chefe do exército do Zimbábue, Constantino Chiwenga, visitou Pequim para uma reunião com o ministro chinês da Defesa, Chang Wanquan.


COMPARTILHE:


Michell Hilton

A saída de Mugabe abri caminho para a esperança no Zimbábue

Mugabe resistiu a demitir-se como presidente por mais de uma década, usando resultados de eleições questionáveis ​​e força bruta para permanecer no poder.

Robert Mugabe foi demitido como chefe do partido ZANU-PF, marcando o fim de seus 37 anos de governo, e ainda mais no comando do partido no poder. Mugabe foi demitido no domingo (19) e sua esposa, a primeira-dama Grace Mugabe, foi expulsa da festa por incitar a divisão.

Mugabe foi substituído por Emmerson Mnangagwa, o vice-presidente cujo mecanismo foi o catalisador desse momento extraordinário na história do Zimbábue. Mnangagwa foi nomeado como presidente interino e será o candidato presidencial do partido para as eleições gerais do próximo ano.

Mugabe resistiu a demitir-se como presidente por mais de três décadas, usando resultados de eleições questionáveis ​​e força bruta para permanecer no poder.

Por enquanto, a esperança é tingida de incerteza. Será que os militares realmente vão renunciar em favor do povo? Uma coisa é certa, isso marca o fim de Robert Mugabe.

COMPARTILHE:


Michell Hilton

Mugabe é expulso da liderança do ZANU-PF

Robert Mugabe expulso da liderança do ZANU-PF

O partido de Robert Mugabe votou para expulsá-lo da liderança, um dia depois que milhares de zimbabuenses foram às ruas para celebrar sua queda do poder.

O partido governante ZANU-PF, que realizou negociações de emergência em sua sede na capital, Harare, para considerar o destino do presidente que governou por 37 anos, nomeou o vice-presidente anteriormente demitido, Emmerson Mnangagwa, como o sucessor de Mugabe, de acordo com a BBC.


COMPARTILHE:


sábado, 18 de novembro de 2017

Manifestantes pedem a renúncia de Robert Mugabe

Os zimbabuenses que comemoraram a esperada queda de Robert Mugabe marcharam em direção a sua residência na capital, Harare, no sábado (18).

Milhares de pessoas invadiram as ruas da capital do Zimbabué para exigir a renúncia de Robert Mugabe. Acreditam que pode agora começar uma nova era no país, livre do homem que está no poder há 37 anos.

COMPARTILHE: