domingo, 20 de janeiro de 2019

Alibaba está diversificando

O Alibaba está apoiando o que chama de "novo varejo", digitalizando e fundindo lojas físicas tradicionais com plataformas online. Isso incluiu a aquisição da rede de lojas de departamentos Intime por 2,6 bilhões de dólares, com 62 lojas em 33 cidades da China, e a abertura de cerca de 100 supermercados Hema.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

terça-feira, 18 de setembro de 2018

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

terça-feira, 31 de julho de 2018

sábado, 21 de julho de 2018

Alibaba e Tencent podem adquirir 20 por cento da WPP

Alibaba e Tencent, os dois maiores nomes da indústria de tecnologia da China, estão em discussões antecipadas sobre comprar cerca de 20 por cento das operações chinesas da WPP, valorizando o negócio entre 2 e 2.5 bilhões de dólares, diz relatório da Sky News.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Maior rival do Alibaba na China ganha terreno

JD, o maior rival do Alibaba na China, tem ambições globais e está desfrutando de uma séria tendência de crescimento.

Quão popular é o JD.com na China?

JD é semelhante ao Amazon, tem diversos centros logísticos e grandes armazéns distribuídos por províncias da China. Assim, os consumidores compram e podem receber em um dia, às vezes em poucas horas. Assim, nas grandes cidades, o JD é melhor que o Taobao, e as pessoas estão dispostas a comprar no JD por causa de sua entrega rápida.

Vários anos atrás, Taobao ainda era o varejista online dominante. Mas o JD se tornou cada vez mais popular por causa de sua eficiência na entrega e autenticidade confiável do produto (pelo menos até onde sei, as categorias de propriedade do JD são quase livres de falhas). Pelo contrário, o Taobao é apenas um mercado para inúmeros fornecedores abrirem as suas próprias lojas, por isso é muito difícil gerir e controlar a autenticidade de enormes quantidades de mercadorias vendidas no Taobao.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

terça-feira, 26 de junho de 2018

terça-feira, 19 de junho de 2018

Alibaba abre escritório em Kuala Lumpur

O CEO do Alibaba, Jack Ma, lançou o primeiro posto avançado do grupo na região para ajudar a crescer o comércio transfronteiriço. O escritório também ajudará as pequenas e médias empresas da Malásia a aprofundar seus conhecimentos de comércio eletrônico e tecnologia.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

domingo, 10 de junho de 2018

Alibaba entra na agricultura

Alibaba está implantando inteligência artificial para ajudar os agricultores a cortar custos e aumentar os rendimentos. De seus smartphones, os agricultores agora podem monitorar se os insetos estão mastigando seus campos de maçã ou se as uvas estão prontas para serem colhidas.

O Alibaba Cloud, o braço de computação em nuvem do grupo de comércio eletrônico, lançou sua iniciativa ET Agricultural Brain. O projeto emprega reconhecimento visual e monitoramento ambiental em tempo real para acompanhar as condições de crescimento das culturas e da pecuária.

Os dados da ET Agricultural Brain pertencem a seus clientes corporativos, disse um porta-voz da Alibaba Cloud à Tech in Asia.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

terça-feira, 5 de junho de 2018

Alibaba e Tencent colocam os banqueiros contra a parede

A rivalidade entre Tencent e o Alibaba se estendeu ao mundo dos bancos de investimento, com a dupla dominante da China exigindo que os banqueiros que trabalham para eles evitem o rival.

As exigências dividiram os bancos de investimento em dois campos, disseram várias pessoas com conhecimento do assunto, destacando a influência das empresas em praticamente todas as esferas da economia da China, bem como seu lucrativo processo de negociação.

É um exemplo de como as coisas funcionam nas terras de Mao.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Alibaba é agora o proprietário da Daraz

Alibaba é agora o proprietário da Daraz, uma loja de comércio online que cobre o Paquistão, Bangladesh, Sri Lanka, Myanmar e Nepal.

O movimento ocorre pouco mais de dois anos depois que o Alibaba se expandiu para o Sudeste Asiático, comprando o maior destino de compras online da região, o Lazada. A empresa chinesa também administra a Redmart, de Cingapura, e possui participações no Paytm da Índia e na Tokopedia da Indonésia.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Alibaba começa a fazer testes com carros autônomos

Alibaba Group tem vindo a fazer testes com carros autônomos, informou o South China Morning Post. Os rivais do Alibaba, Baidu e Tencent, também estão trabalhando na tecnologia autônoma e, no mês passado, o Baidu recebeu autorização do governo chinês para começar a testar sua tecnologia nas estradas de Pequim. A Tencent supostamente enviou um de seus veículos autônomos para um passeio em uma rodovia de Pequim no início deste mês.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Alibaba está na lista negra dos EUA

Alibaba está de volta à lista de "mercados notórios" dos EUA em relação às vendas de mercadorias falsificadas

Alibaba está de volta à lista de "mercados notórios" dos EUA em relação às vendas de mercadorias falsificadas.

Alibaba foi retirado da lista há quatro anos, mas as autoridades dos EUA dizem que a plataforma online da empresa Taobao é usado para vender "altos níveis" de produtos falsificados.

A empresa rejeitou as alegações.

Alibaba também sugeriu que o "clima político atual" nos EUA pode ser o motivo pelo qual eles estão de volta à lista.

Taobao disse no início deste ano que tinha reforçado os controlos sobre a sua venda de bens de luxo, exigindo que os vendedores mostrassem prova de autenticidade.

COMPARTILHE:    Facebook Twitter

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Alibaba aposta na Europa

A gigante Alibaba Group Holding está expandindo seu alcance na Europa, na esperança de aproveitar a crescente afluência dos cidadãos chineses. A empresa anunciou que assinou acordos com instituições financeiras europeias que permitem aos seus clientes usarem seu sistema de pagamento no continente, o AliPay.

COMPARTILHE:    Facebook Twitter

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Vitória de Trump ameaça sonho do Alibaba

O gigante chinês de comércio eletrônico poderia ser derrubado pelo movimento anti-China de Trump

O gigante chinês de comércio eletrônico poderia ser derrubado pelo movimento anti-China de Trump.

De todas as coisas que Jack Ma pensava que ele iria enfrentar em 2017, uma presidência de Donald Trump não estava entre seus planos.

É uma preocupação particular para os investidores do Alibaba, o rolo compressor e-commerce com o objetivo de gerar 50 por cento de sua receita fora da China. Com a vitória chocante de Trump, o colosso Ma está exclusivamente no caminho do perigo. Sua escala, nível de penetração continental e ambições globais colocam Alibaba na linha de frente dos caprichos de Trump.

A doutrina isolacionista de Trump poderia colocar em perigo nos planos do Alibaba para ser a ponte entre varejistas no exterior e a China. Pequim, é lógico, iria retaliar, mas não adiantaria muito.

COMPARTILHE:    Facebook Twitter