domingo, 17 de março de 2019

Marc Andreessen e sua fonte da Cambridge Analytica

Marc Andreessen

O jornal The Guardian afirma que Marc Andreessen, membro do conselho do Facebook, se encontrou com uma fonte da Cambridge Analytica dois anos antes do escândalo explodir. Segundo o jornal, Andreessen queria entender como a Cambridge Analytica estava usando os dados coletados ilegalmente do Facebook.

Andreessen, o cara com a cabeça no formato de um ovo, teria ficado em contato com essa fonte até a história explodir em 2018, de acordo com uma das fontes.

Marc Andreessen negou tudo em um comunicado ao Engadget, chamando a coisa toda de "categoricamente e totalmente falso". Ele disse que um colega sugeriu uma reunião com Wylie, a fonte, mas que a reunião nunca aconteceu.

COMPARTILHE:

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Cambridge Analytica fez muito dinheiro antes de falir

Cambridge Analytica, a empresa que destruiu com a confiança dos usuários no Facebook, desfrutou de bons resultados em 2016, quando trabalhou para a campanha que ajudou a eleger Donald Trump, mas seu negócio caiu drasticamente no ano seguinte.

A receita da empresa de mineração de dados foi de apenas 5 milhões de dólares em 2017, depois de ultrapassar 25 milhões de dólares no ano anterior.

Vender dados anda dando muito dinheiro.

COMPARTILHE:

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Cambridge Analytica pode ter mudado seu nome para Emerdata

Cambridge Analytica pode ter mudado seu nome para Emerdata Limited.

O registro oficial de empresas e organizações do Reino Unido, o Companies House, lista uma empresa ativa chamada Emerdata Limited, com sede nos mesmos escritórios da SCL e administrada por grande parte da mesma administração e investidores da Cambridge Analytica. Emerdata até se descreve como uma organização de "processamento de dados, hospedagem e atividades relacionadas".

A Emerdata foi fundada em meados de 2017, mas tem se mantido bastante ativa desde que a Cambridge Analytica chegou às manchetes no início deste ano.

COMPARTILHE:

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Cambridge Analytica encerra as atividades

Cambridge Analytica faliu

“Não é mais viável continuar operando o negócio, o que deixou a Cambridge Analytica sem uma alternativa realista”, disse a empresa.

A Cambridge Analytica tem estado no centro de uma controvérsia sobre a coleta ilegal de dados do Facebook. Informações de até 87 milhões de usuários do Facebook foram roubados pela Cambridge Analytica, uma empresa britânica ligada à campanha do presidente dos EUA, Donald Trump.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: Cambridge Analytica faliu...

COMPARTILHE:

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Facebook pode processar a Cambridge Analytica

Mark Zuckerberg deixou em aberto a possibilidade de o Facebook processar a Cambridge Analytica

Mark Zuckerberg deixou em aberto a possibilidade de o Facebook processar a Cambridge Analytica, empresa afiliada à campanha de Donald Trump, que adquiriu indevidamente dados de 87 milhões de usuários do Facebook.

"É algo que estamos investigando", disse Zuckerberg.

Zuckerberg disse que o Facebook está investigando Aleksandr Kogan, cientista da Universidade de Cambridge cujo quiz a empresa diz ter coletado os dados de dezenas de milhões de usuários do Facebook, terminando nas mãos da Cambridge Analytica. O Facebook baniu Kogan da rede social.

Zuckerberg também tentou acabar com as preocupações sobre a capacidade do Facebook de corrigir o que aconteceu, dizendo que a empresa está fazendo uma auditoria na Cambridge Analytica para determinar o que aconteceu e recuperar os dados. No entanto, seus comentários na audiência de terça-feira deixaram claro que, se a Cambridge Analytica estiver hospedando os dados em um país estrangeiro, pode ser um desafio para o Facebook acessá-los.

COMPARTILHE:

terça-feira, 10 de abril de 2018

Cambridge Analytica se defende

A Cambridge Analytica também está assistindo ao testemunho de Zuckerberg.

A Cambridge Analytica também está assistindo ao testemunho de Zuckerberg. A empresa de dados reagiu aos comentários na audiência dizendo que a empresa havia indevidamente obtido informações sobre os usuários do Facebook antes da eleição de 2016 nos EUA.

"Não hackeamos o Facebook e nem violamos nenhuma lei", disse a Cambridge Analytica em um post no Twitter. Em vez disso, a empresa disse que a SCL Elections, sua divisão política, licenciou dados de uma empresa que obteve os dados através de uma ferramenta fornecida pelo Facebook - algo que era "uma prática comum na época", disse Cambridge.

A Cambridge Analytica disse que deletou os dados quando o Facebook disse que violou seus termos de serviço, e que uma auditoria independente está trabalhando para verificar isso.

COMPARTILHE: