sábado, 9 de fevereiro de 2019

sábado, 29 de setembro de 2018

terça-feira, 14 de agosto de 2018

quarta-feira, 25 de julho de 2018

sábado, 26 de maio de 2018

domingo, 8 de maio de 2016

8 de maio de 1886 - A Coca-Cola é vendida pela primeira vez

A Coca-Cola é vendida pela primeira vez

O produto que deu ao mundo o seu sabor mais conhecido nasceu em Atlanta, Geórgia, em 8 de Maio de 1886. Dr. John Stith Pemberton, um farmacêutico local, produziu o xarope de Coca-Cola, e levou um jarro do novo produto para a Jacobs Pharmacy, onde foi amostrado, pronuncia-se "excelente" e colocado à venda por cinco centavos de dólar por vidro como uma bebida de refrigerante refrescante. Água gaseificada foi se unindo com o novo xarope para produzir uma bebida que era ao mesmo tempo "deliciosa e refrescante", um tema que continua a ecoar hoje onde quer Coca-Cola é apreciada.


sábado, 28 de novembro de 2015

Coca-Cola vem com efeito de som não intencional

Coca-Cola vem com efeito de som não intencional

Coca-Cola é um refrigerante carbonado vendido em lojas, restaurantes e máquinas de venda automática em todo o mundo. Ele é produzido pela The Coca-Cola Company, sediada em Atlanta, Estados Unidos, e é muitas vezes referido apenas como Coca-Cola.

A história da Coca-Cola inicia com a chegada do farmacêutico John Pemberton na cidade de Atlanta nos Estados Unidos, logo após a Guerra Civil americana. Ele havia acabado de participar da guerra e estava disposto a mudar de vida, em busca de uma nova clientela que comprasse suas ideias e medicamentos. Por não ter nenhuma habilidade em vendas, sempre fracassou em suas criações, até conhecer o contador Frank Robinson, que acaba tornando-se sócio.
1884 – Foi lançada a bebida alcoólica chamada “Pemberton's French Wine Coca”, anunciada como uma bebida intelectual, vigorante do cérebro e tônica para os nervos, sendo, inicialmente uma mistura de folhas de coca, grãos de noz-de-cola e álcool.
Naquela época existiam os chamados “Pontos de Vendas”, lugares aonde pessoas iam após as compras, para se reunir e tomar sorvetes e xaropes misturados com água carbonada nos mais diferentes sabores, e que possivelmente acabaram dando ideias para a produção de um novo produto.
1886 – O puritanismo religioso estava em alta e havia todo um movimento anti-álcool. Nenhuma mulher ou homem decente poderia ser visto em lugares que fornecessem esse tipo de bebida. Neste mesmo ano, todos os estabelecimentos que vendiam álcool foram fechados e Pemberton e Robinson se viram na procura por outro produto que lhes rendessem dinheiro.
Naquela época existiam os chamados “Pontos de Vendas”, lugares aonde pessoas iam após as compras, para se reunir e tomar sorvetes e xaropes misturados com água carbonada nos mais diferentes sabores, e que possivelmente acabaram dando ideias para a produção de um novo produto.

Tentando se encaixar neste novo padrão, Pemberton passou meses no porão de sua casa em Atlanta, adicionando ingredientes à água carbonada para fazer um xarope e, mandando amostras para a “Jacob’s Pharmacy”, para testar a opinião dos clientes.

No dia 8 de maio era vendida a primeira bebida conhecida atualmente como Coca-Cola, nome posteriormente dado por Frank Robinson, que utilizou a sua própria caligrafia para fazer o logotipo. O produto era um xarope com água carbonada, servidos em copos de vidro e misturados na hora de servir.

No dia 29 de maio, Pemberton anuncia a bebida não intencional pela primeira vez no “Atlanta Journal”.


quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Coca Cola não quer seu bem e está sendo processada por isso

Coca Cola não quer seu bem e está sendo processada por isso

Será que a Coca Cola, uma das maiores produtoras de refrigerantes do mundo, está mesmo financiando estudos, considerados controversos, para combater a obesidade?
 
De acordo com um artigo do 'New York Times', a empresa está sendo acusada de patrocinar pesquisas que dizem ser mais importante fazer exercício do que cortar calorias para manter um peso saudável.

Cientistas dos Estados Unidos acreditam que é o sedentarismo, e não a má alimentação, o principal responsável pela obesidade. Segundo o "New York Times", para fornecer apoio logístico e financeiro a estes investigadores, a empresa apoia uma organização sem fins lucrativos, chamada Global Energy Balance Network, que tem promovido a ideia de que os americanos preocupados com um estilo de vida saudável estão mais fixados nas quantidades de comida e bebida que ingerem, quando deviam realmente preocupar-se com o exercício físico.

Coca Cola não quer seu bem e está sendo processada por isso

Mas este estudo divide opiniões. Para outros especialistas, a mensagem faz parte da estratégia da Coca Cola para desvalorizar o papel que tem sido atribuído aos refrigerantes no aumento da obesidade e da diabetes tipo 2. Eles dizem que a Coca Cola está usando a organização sem fins lucrativos para tentar convencer que a atividade física pode compensar uma alimentação pouco saudável, ainda que já tenha ficado provado que o impacto do exercício físico na saúde é menor quando comparado com alterações na dieta habitual.

Para Michele Simon, advogada especialista em saúde pública, a estratégia daCoca Cola é uma "resposta direta" às perdas da companhia. A Coca Cola fez um investimento substancial na nova associação sem fins lucrativos: só no ano passado, para formalizar a Global Energy Balance Network, a empresa deu 1,5 milhões de dólares.


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Nova campanha publicitária sexista da Coca-Cola

Os consumidores têm criticado a campanha publicitária "sexista" de novo "high end" produto com leite da Coca-Cola, que está sendo lançando nos EUA este mês.

Coca-Cola

A liberação do leite Fairlife tem confundido muitos clientes, mas rapidamente a risca a cabeça-transformou em raiva quando a Coca-Cola lançou sua nova campanha publicitária na semana passada, com fotos de mulheres nuas pingando leite. Original, não?

As fotos parecem ser feita pelo artista baseado em Londres Jaroslav Wieczorkiewicz, baseado em sua série de pré-existente imagens chamado "Milky Pin-Ups".

A campanha Fairlife recria imagens icônicas (como momento upskirt de Marilyn Monroe em O Pecado Mora ao Lado), vestindo digitalmente modelos no leite.

As fotos são acompanhadas por slogans como "Beba o que ela está vestindo", "Mais bom, parece bom" e "Melhor leite fica bem em você". Em uma imagem da campanha, um modelo fica em um conjunto de escalas e usa uma expressão de horror.

Fairlife está a ser comercializado como um "prêmio" de alta proteína, baixo teor de açúcar e leite livre de lactose ... venha para o Brasil aqui nós aceitamos!


quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Coca-Cola agora é verde!

Coca-Cola agora é verde! Para a Coca-Cola Life, verde é o novo vermelho

A Coca-Cola gastou milhões para associar sua marca à cor vermelha. Rótulos vermelhos, logos vermelhos e, claro, latas vermelhas.

Mas recentemente, em alguns lugares dos Estados Unidos e no Reino Unido, começou a vender um novo produto com rótulo ou latinha verde chamado Coca-Cola Life. A nova linha do refrigerante é uma versão da cola normal com menos calorias.

Para a Coca-Cola Life, verde é o novo vermelho.


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Talvez seja hora de jogar um pouco de água fria nessa coisa

Coca-Cola ™ vice-presidente sênior de marketing integrado Wendy Clark fez um ALS balde de gelo desafio, completa com Coca-Cola ™ urso polar e toalha Coca-Cola ™. O real Coca-Cola ™ não fazer uma aparição.

Talvez seja hora de jogar um pouco de água fria nessa coisa

Clark não dizer que desafiou ela, mas passa a executivos de marketing em nome série de outras grandes empresas de consumo e doações incentivadas.

Não há como negar que o #IceBucketChallenge fez muita boa, a conscientização sobre ALS - uma doença do nervo particularmente debilitante comumente conhecida como doença de Lou Gehrig -, bem como 7,6 milhões dólares americanos para a Associação ALS.

No entanto, o calendário para as marcas se sente um pouco fora. A caridade viral atingiu recentemente atingiu um crescendo com vídeos de Justin Timberlake, New Jersey governador Chris Christie e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg. As empresas que se juntam agora arriscar a aparência de usar a atenção construído por milhares de participantes para o lucro.

Coca-Cola não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Além disso, e não podemos forçar este bastante, segure o telefone na horizontal quando a gravação de vídeo.

Tem algo a acrescentar a esta história? Compartilhe nos comentários.


terça-feira, 17 de junho de 2014

Para conquistar os 'verdes', Coca-Cola lança bebida adoçada com stévia

Em busca dos consumidores que criticam a quantidade de açúcar e adoçantes em suas bebidas, a Coca-Cola lançou uma nova versão adoçada com açúcar e stévia, a Coca-Cola Life.

Extraída da planta stevia rebaudiana, nativa da América do Sul, a stévia adoça mais que o açúcar refinado e contém outras propriedades nutritivas, como ajudar na eliminação de toxinas. A Coca-Cola Life, já comercializada na Argentina e no Chile, teve suas calorias reduzidas de 140 para 89.

Depois da chegada ao mercado da Coca-Cola Zero, em 2006, este é o primeiro produto da marca com uma remodelação tão significativa. A bebida será comercializada na Grã-Bretanha em setembro, mas não há previsão de lançamento no Brasil. O Ministério da Saúde não avaliou o produto. Contudo, um decreto (6871/2009) sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção e a fiscalização da produção e do comércio de bebidas proíbe a associação de açúcar e adoçantes (stévia) em bebidas não alcoólicas, com exceção de preparados sólidos para sucos, como as polpas.

O lançamento da Coca-Cola Life faz parte de uma parceria entre a empresa e o governo britânico com o objetivo de reduzir os índices de obesidade na população. A promoção ao produto tem sido discreta nos mercados de teste, como a Argentina, justamente por se tratar de um movimento arriscado para a companhia — que, ao mesmo tempo em que tenta aderir a um viés mais 'verde', termina por reconhecer, indiretamente, que fabrica produtos que fazem mal à saúde. A nova bebida se posiciona, de fato, como uma resposta da Coca-Cola às diversas críticas contra seu uso ostensivo de açúcar e produtos químicos em seus refrigerantes. Contudo, parece pouco provável que o uso da stévia faça com que os adoradores de quinua passem a consumir a bebida.