quinta-feira, 15 de junho de 2017

A Europa costumava ter um temível respeito pelos conservadores. Mas esses dias já passaram. Agora, o partido enfraquecido pode ter matado acidentalmente o Brexit.

Muitos no Reino Unido achavam que um pouco de medo era uma coisa boa. O medo soava como respeito e influência - e, mais do que tudo, como bons negócios. Mas agora, depois de duas eleições catastróficas em menos de um ano, isso acabou. Completamente.




quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Corte da Inglaterra decidiu na quinta-feira (3) que o governo britânico precisa da aprovação parlamentar para dar início ao processo de saída da União Europeia, que ficou conhecido como Brexit. A Justiça avaliou que apenas o resultado do referendo de junho, que aprovou o afastamento do bloco europeu, não é suficiente. O governo afirmou estar decepcionado com a decisão judicial e que vai recorrer.

Na prática, a decisão judicial determina que o governo britânico não tem poder para acionar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa da União Europeia, que a nova premiê britânica, Theresa May, tinha a intenção de fazer até o final de março de 2017. Após acionar esse artigo, o Reino Unido terá um período de dois anos para fechar os acordos considerados os mais complexos na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.




segunda-feira, 23 de novembro de 2015

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Os tabloides são armas na mal disfarçada luta de classes que tem sido a história da Inglaterra desde os primeiros barões.

O contraste entre os tabloides sensacionalistas e os jornais “respeitáveis” da Inglaterra é uma evidência, pode-se dizer escandalosa, de uma divisão social como talvez só exista igual na Índia das castas milenares. A elite inglesa hierarquiza seus diferentes graus de importância para que nunca se confunda um nobre, mesmo arruinado, com um rico sem título, ou os dois com um “comum”. Essa demarcação rígida dá uma certa liberdade aos excluídos para, por assim dizer, chafurdarem (grande palavra) na sua condição de casta inferior. Já que nunca ultrapassarão a barreira que os separa da elite, enfatizam o contraste e atacam o que a elite tem de mais seu, que é o bom gosto e a hipocrisia.




segunda-feira, 6 de outubro de 2014

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

sábado, 30 de agosto de 2014

Fatia foi comprada por 1.375 dólares.

Uma fatia do bolo do casamento da princesa Diana com o príncipe Charles da Inglaterra, celebrado em 1981, foi leiloada nesta semana e vendida por 1.375 dólares (cerca de R$ 3.075).

O bolo, que mantém sua apresentação original, em uma caixa branca e prateada, foi vendido na internet pela casa de leilões Nate D. Sanders na última quinta-feira (28).

Junto com o bolo estava um cartão com a mensagem: “Com os melhores cumprimentos de Suas Altezas Reais, o Príncipe e a Princesa de Gales”.

Segundo a casa de leilões, o comprador foi um colecionador privado.

Apesar de estar em sua caixa original, a empresa que vendeu o bolo alertou que pode não ser uma boa ideia comer o bolo. Segundo a casa de leilões, existe um pequeno grupo dedicado a colecionar pedações de bolos reais.




quarta-feira, 4 de junho de 2014

Para além de um espaço de leitura, a Biblioteca de Birmingham, na Inglaterra, concentra uma série de atividades culturais sob uma atmosfera futurista.

Com dez andares, a nova Biblioteca de Birmingham, cidade a 165 km de Londres, impressiona pela fachada, que contrasta com os edifícios históricos da região, e também pelos números. São 31 mil m2 de área e 400 mil títulos à disposição dos visitantes. 

É um centro de aprendizado, cultura e informação que convida o público a participar de cursos e assistir a peças de teatro, palestras e concertos. Projetado pela arquiteta Francine Houben, do escritório holandês Mecanoo, o edifício tem jardins suspensos e fachada de vidro envolvida por círculos de metal, que remetem à tradição artesanal desse município, berço da Revolução Industrial. 

O interior é repleto de atrativos visuais, como volumes circulares, claraboias e escadas escultóricas. Admiradores de William Shakespeare encontram o Memorial Room, onde fica a extensa coleção de trabalhos do gênio inglês. O ambiente intimista tem estilo vitoriano, com móveis e objetos de uma biblioteca de 1882 que foi realocada ali. É uma bela surpresa no topo do edifício.