10 de dezembro de 2021

24 de março de 2020

11 de março de 2020

Michell Hilton

Parlamento russo aprova que Vladimir Putin fique no poder além de 2024.

Parlamento russo aprovou que o presidente Vladimir Putin fique no poder além de 2024 (ou seja, ele poderá ficar no poder por mais 12 anos). Um ditador perfeito ou um país refém de um ex-agente da KGB?

Putin comanda a Rússia há mais de 20 anos.

Compartilhe:

17 de dezembro de 2019

Michell Hilton

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ainda parece usar o sistema operacional Windows XP.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ainda parece usar o sistema operacional Windows XP (descontinuado da Microsoft), informou o Open Media, depois de examinar fotografias de sua área de trabalho.

A Microsoft parou de lançar atualizações de segurança para Windows XP e Office 2003, com exceções ocasionais, em abril de 2014. Oficiais russos estão tecnicamente proibidos de usar software estrangeiro, já que Moscou visa proteger interesses nacionais em meio a temores de espionagem estrangeira e impulsionar o setor de tecnologia da Rússia.

Compartilhe:

9 de outubro de 2019

5 de setembro de 2019

4 de setembro de 2019

Michell Hilton

Dois grandes fatores de longo podem manter o presidente da Rússia, Vladimir Putin, no poder por mais uma década ou duas.

Dois grandes fatores de longo prazo podem manter o presidente da Rússia, Vladimir Putin, no poder por mais uma década ou duas.

Como ex-agente secreto, ele é perspicaz, analítico, paranoico, cuidadoso, autoconsciente, disciplinado, e cauteloso com a mídia. Ele também é extremamente leal e protetor de seus amigos, aliados e pessoas que o ajudam. Ele é totalmente não ideológico e transacional. Tudo isso faz dele o operador de bastidores perfeito na tradição política da Rússia.

Como Stalin, o presidente Putin entendeu as implicações das raízes coloniais da civilização russa na política. Para a massa de pessoas comuns, qualquer mudança importante - especialmente se vier de cima e tiver uma sensação "estrangeira" - é uma má notícia. Você projeta sua força, mantém sua promessa e a grande maioria dos russos responde com amor. Putin consegue fazer isso com uma facilidade impressionante.

Compartilhe:

27 de julho de 2019

Michell Hilton

Rússia, Vladimir Putin, Michell Hilton

Como os russos imaginam o presidente da Rússia, Vladimir Putin:

Acima, um pedaço de arte patriótica de Gennadiy Zhivotov, chamado “Floresta Russa”. As habilidades de afirmação da vida do presidente Vladimir Putin e a conexão misteriosa com o solo russo fazem crescer bombas, torpedos e mísseis intercontinentais tão organicamente quanto árvores e cogumelos. Tudo o que Putin precisa é dirigir tudo isso pela boa causa do antiglobalização, do liberalismo e da grandeza da Rússia.

Eles realmente são bem criativos!

Compartilhe:

2 de fevereiro de 2019

Considerando o que sabemos da mídia, o pior pesadelo de Putin parece ser seguinte:

Velhice

Ele mantém um estilo de vida rigorosamente saudável, sem lugar para tabaco, álcool e outras coisas que podem arruinar seu corpo cedo demais. Ele passa horas nadando e se engajando em outras atividades físicas. Ele se recusa a ser visto em público bebendo. Putin se engaja em atividades de alto nível que o mostram como um homem viril.

Ameaças à sua família

Os serviços secretos soviéticos dependiam extensivamente de ameaçar e ferir as famílias dos indivíduos que consideravam inimigos do Estado. O conhecimento interno disso parece ter impactado Putin de uma maneira importante. Ele vê um perigo oculto em toda forma de interesse público sobre suas filhas, outros familiares próximos e seus interesses românticos. Cavar isso é tão perigoso quanto encontrar detalhes de sua riqueza pessoal.

Temor obsessivo de multidões

Vários observadores mencionaram um profundo choque que o presidente Putin experimentou quando Muammar Gaddafi foi linchado pela milícia tribal líbia e, mais tarde, quando os ucranianos derrubaram seu aliado, o presidente Víktor Yanukóvytch, na Ucrânia.

Durante a última década, Putin ordenou uma atualização sem precedentes da capacidade de controle de distúrbios. Uma grande força foi criada, explicitamente encarregada de proteger o próprio Vladimir Putin da agitação interna.

Acrescente a isso sua aparente aversão aos holofotes, além de vários perímetros de segurança que o seguem sempre que ele sai à luz do dia.

NOTA: Sua oclofobia foi formalmente estudada pelo Pentágono.

Compartilhe:

16 de julho de 2018

7 de junho de 2018

2 de junho de 2018

Michell Hilton

Copa do Mundo na Rússia

Um interessante artigo da New Statesman tenta avaliar se Vladimir Putin e o governo russo conseguirão algum tipo de benefício político pela organização da Copa do Mundo que está chegando. Desde o início dos tempos que o esporte sempre esteve associado à política; veja-se o caso da Copa de Itália de 34 e das suspeitas de manipulação pelo governo de Mussolini, pela forma como Hitler utilizou as Olimpíadas de 36 para promoção, a dedicação do governo argentino a “sua” Copa de 1978, o boicote mútuo de Estados Unidos e União Soviética nas Olimpíadas de 1980 e 1984, e muitos mais.

Milhões de torcedores estão aguardando o início da Copa, não só pelo espetáculo esportivo mas até pela possibilidade de fazer apostas esportivas no netbet.com ou em outras plataformas semelhantes. O poder social da Copa e do futebol é tão grande que não tem como evitar suas implicações políticas.

O que a New Statesman descobriu

O artigo começa por avaliar o comportamento do organizador e do vencedor da Eurocopa 2016: França e Portugal, respetivamente. Em ambos os casos, o comportamento dos times nacionais não pareceu influenciar em nada a popularidade dos respetivos governos (do presidente François Hollande e do primeiro-ministro António Costa).

Sobre a Eurocopa de 2012, o artigo também não encontrou nada de significativo. Apesar da vitória da Espanha na competição, o governo do Partido Popular acabou por perder as eleições seguintes. Na Polônia, que foi um dos países organizadores do evento (junto com a Ucrânia), as enquetes de popularidade do partido do governo não revelaram qualquer alteração após o evento.

Em 2010, mais uma vez, o partido do governo do país organizador não parece ter beneficiado em nada com a organização. Em Espanha, país vencedor, a popularidade do Partido Popular pareceu subir, mas de forma pouco significativa.

Em 2008, a New Statesman encontrou finalmente uma subida na popularidade do governo que parece associada à primeira das três grandes conquistas do time nacional espanhol. Já para os países organizadores da Eurocopa desse ano, Suíça e Áustria, os efeitos foram perto de zero.

Conclusão: o senso comum estará errado

A conclusão do artigo vai contra aquilo que diz o senso comum. Habitualmente pensamos que acolher um grande evento esportivo mobiliza um povo, diverte também, e se tudo correr bem ajuda a criar orgulho nele mesmo e em suas capacidades de organização. É como se estivesse ainda vigorando o célebre provérbio romano: “panem et circenses”, “pão e espetáculos de circo”, aquilo que as elites romanas precisavam assegurar para que o povo romano se mantivesse calmo e afastado de revoltas.

Contudo, as conclusões parecem ir em um sentido contrário. O povo, independente de sua cultura e de seu regime político, já vê acontecer super eventos esportivos há um século, e sabe separar os momentos de festa daquilo que é mais sério. A New Statesman termina “sugerindo”: não haveria benefício em organizar uma Copa do Mundo, mas poderia ter algum… em vencê-la.

Compartilhe:

7 de maio de 2018

Michell Hilton

Vladimir Putin

O presidente russo, Vladimir Putin, começou seu quarto mandato com uma arma inesperada em seu arsenal contra as sanções ocidentais: preços altos do petróleo.

"Ele acha que a economia russa se estabilizou e vê a Rússia agora em uma batalha de longo prazo com o Ocidente", disse Timothy Ash, estrategista sênior da BlueBay Asset Management. "Preços mais altos do petróleo vão ajudá-lo a jogar por mais tempo contra o Ocidente".

Apesar dos protestos dispersos, o líder russo ainda é popular depois de duas décadas no poder e assumiu o crédito por tirar seu país da recessão.

Compartilhe:

Michell Hilton

Vladimir Putin

Vladimir Putin exigiu que o governo trabalhe no sentido de cumprir nove "metas nacionais de desenvolvimento" até o final de seu mandato em 2024, incluindo a entrada da Rússia para as cinco maiores economias do mundo e a redução dos níveis de pobreza. Ele disse que a Rússia precisa garantir o crescimento sustentado da população e aumentar drasticamente a produtividade e a inovação tecnológica.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: Putin está no poder há 19 anos

Compartilhe:

18 de março de 2018

16 de março de 2018

1 de março de 2018

Michell Hilton

Vladimir Putin garantiu que o novo míssil não pode ser detectado pelos sistemas antimíssil, classificando a arma como “invencível”.

Putin garantiu que o novo míssil não pode ser detectado pelos sistemas antimíssil, classificando a arma como “invencível”.

Vladimir Putin disse que este é um míssil de cruzeiro “de baixo voo, difícil de ser detectado, com uma carga nuclear de alcance praticamente ilimitado e uma rota de voo imprevisível, que pode ignorar as linhas de intervenção e é invencível perante todos os atuais e futuros sistemas de defesa de mísseis aéreos ou terrestres”.

Mais armas de destruição em massa! Progresso fantástico.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: "Invencível"

Compartilhe:

28 de janeiro de 2018

28 de dezembro de 2017

Michell Hilton

Explosão em supermercado de São Petersburgo foi ataque terrorista

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que um bombardeio ontem em um supermercado de São Petersburgo que feriu pelo menos 13 pessoas foi um ataque terrorista, segundo a AP. Ele também afirmou que outro ataque na cidade havia sido evitado, embora o Kremlin não forneceu nenhum detalhe.


Compartilhe: