quarta-feira, 27 de junho de 2018

quinta-feira, 24 de maio de 2018

terça-feira, 22 de maio de 2018

terça-feira, 15 de maio de 2018

Coreia do Norte ameaça cancelar encontro com Trump

A Coreia do Norte ameaça cancelar o encontro de Kim Jong-un com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A razão são os exercícios militares dos EUA com a Coreia do Sul.

A Coreia do Norte está furiosa, segundo a agência de notícias estatal, porque os exercícios militares não foram interrompidos.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: Coreia do Norte suspende reunião com Sul
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

sábado, 12 de maio de 2018

Porque Kim Jong-un resolveu ser um cara legal

A Coreia do Norte impulsionou o avanço de seu programa com muita força e rapidez.

A Coreia do Norte impulsionou o avanço de seu programa com muita força e rapidez. Enquanto Pyongyang alcançava um nível razoável de sucesso, o país também sofria um "acidente" subterrâneo que causou terremotos terríveis na China, perdas significativas de equipamentos e muitos cientistas, engenheiros e oficiais militares de primeira linha foram mortos. O resultado foi um "recuo" em seu programa, e um alerta para o perigo com o qual eles estavam brincando.

Coreia do Norte já têm a bomba. Eles não precisam desenvolvê-la mais.

Parece que a Coreia do Norte não parou de fazer mísseis, mas resolveu parar com os mísseis balísticos e testes nucleares. Coreia está satisfeita com os resultados de seus anos de testes, eles agora são capazes de atingir os EUA, de acordo com especialistas militares. Os EUA concordaram em suspender as sanções econômicas se Pyongyang abandonasse seu programa nuclear e de mísseis balísticos. Mas eles definitivamente não pararam de fabricar mísseis.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

Coreia do Norte vai desmantelar local de testes nucleares

A Coreia do Norte programou o desmantelamento do seu local de testes nucleares entre os dias 23 e 25 de maio.

A Coreia do Norte programou o desmantelamento do seu local de testes nucleares entre os dias 23 e 25 de maio, dependendo das condições climáticas, a fim de manter sua promessa de interromper os testes nucleares, informou a mídia estatal do país no sábado.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: Kim Jong-un +1...
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

quarta-feira, 28 de março de 2018

quinta-feira, 8 de março de 2018

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Por dentro do exército de hackers da Coreia do Norte

O regime de Pyongyang enviou centenas de programadores para outros países. Sua missão: Ganhar dinheiro por qualquer meio necessário.

O regime de Pyongyang enviou centenas de programadores para outros países. Sua missão: Ganhar dinheiro por qualquer meio necessário. 

A proeza dos hackers da Coreia do Norte é quase tão temida globalmente como seu arsenal nuclear. Em maio passado, o país foi responsável por um flagelo da internet chamado WannaCry, que por alguns dias infectou e criptografou computadores em todo o mundo, exigindo que as organizações pagassem resgate em Bitcoin para desbloquear seus dados.

Especialistas do governo sul-coreano afirmam que ao longo dos anos, a Coreia do Norte enviou centenas de hackers para países vizinhos, como China, Índia e Camboja, onde levaram centenas de milhões de dólares.

Durante décadas, o governo da Coreia do Norte procurou usar a tecnologia moderna para transformar uma das partes mais isoladas e empobrecidas do mundo. Durante a década de 1990, Kim Jong Il, pai do líder atual, Kim Jong-un, promoveu a programação como forma de o país reconstruir sua economia depois de anos de fome catastrófica.

Relatos de observadores da Coreia sugerem que, em algum momento da segunda metade da década, Kim Jong Il formou um exército cibernético projetado para expandir as atividades de hacking da Coreia do Norte. Inicialmente, a unidade gerenciou apenas incursões aleatórias, em alvos como sites governamentais e redes bancárias, mas quando Kim morreu em 2011, seu filho expandiu o programa.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: Inside North Korea’s Hacker Army
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Soldado que desertou da Coreia do Norte é imune ao antraz

Soldado norte-coreano que desertou este ano pode ter sido vacinado contra antraz.

As autoridades sul-coreanas confirmaram que o soldado, que não foi identificado, foi exposto ou vacinado contra o antraz e tinha desenvolvido imunidade, informou a UPI.

Um funcionário disse à rede de TV: "Anticorpos de antraz foram encontrados no soldado norte-coreano que desertou este ano".

Antraz pode matar pelo menos 80 por cento das pessoas expostas à bactéria em 24 horas, a menos que sejam tomadas antibióticas ou a vacinação esteja disponível de imediato.

COMPARTILHE:    Facebook Twitter

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Kim Jong-un executa o segundo homem mais poderoso da Coreia do Norte

Meios de comunicação sul-coreanos relatam que Kim Jong-un executou o segundo homem mais poderoso da Coreia do Norte, Hwang Pyong-so.

Hwang Pyong, que já foi considerado o "segundo homem mais poderoso da Coreia do Norte", está desaparecido faz vários meses, segundo relatórios da Coreia do Sul.

O desaparecimento de Hwang parece ter coincidido com a recente purga das figuras militares seniores do país em uma tentativa de reduzir a crescente influência do exército, que floresceu sob seu pai, Kim Jong-il.

Além de ser visto como o segundo homem mais poderoso da Coreia do Norte e parte do círculo íntimo de Kim, ele era chefe do poderoso Bureau Político Geral das Forças Armadas, principal posto militar da Coreia do Norte.

Hwang não é visto em público desde o dia 13 de outubro deste ano.

Se Hwang fosse efetivamente excluído do Partido dos Trabalhadores, isso significaria praticamente o fim de sua carreira política e, possivelmente, sua vida, embora seja desconhecido se ele ainda esteja vivo, relatou o jornal JoongAng Ilbo.

Notícias de sua possível morte surgiram através da agência de inteligência da Coreia do Sul, NIS.

Uma fonte sem nome disse ao jornal sul-coreano que Hwang estava recebendo subornos em troca de promoções, quando as novidades chegaram a Kim Jong-un, ele exigiu que os dois fossem punidos.

Enquanto o destino de ambos os homens seja desconhecido, devido à nação ser totalmente secreta, um cenário provável é que eles sofreram o mesmo destino que o tio de Kim Jong-un que foi preso e executado em 2013.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

domingo, 10 de dezembro de 2017

A situação da Coreia do Norte pode não ter uma solução pacífica

Os EUA e outros líderes mundiais têm poucas escolhas quando se trata de gerenciar a Coreia do Norte.

Os EUA e outros líderes mundiais têm poucas escolhas quando se trata de gerenciar a Coreia do Norte. Ainda menos escolhas com um presidente impulsivo como Donald Trump.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas sancionou o programa nuclear da Coreia do Norte após o primeiro teste de armas em 2006. À medida que seu arsenal proliferava, também proliferavam as sanções. Mais de uma década depois, a ditadura de Kim Jong-un continua a crescer mais forte e suas ameaças mais potentes. Vale ressaltar que o regime alcançou sucesso notável em seu objetivo, isso apesar de ser a nação mais isolada do mundo.

Em mais de uma década de testes nucleares na península, a comunidade internacional adquiriu um senso de amnésia política. Enquanto as sanções parecem ser cada vez mais duras, a península coreana se afasta mais da desnuclearização todos os dias. É seguro concluir, portanto, que a estratégia de simplesmente impor pressão econômica sobre o regime não é realmente uma boa estratégia. Pelo contrário, as sanções atuais servem como um indulto, afirmando a ausência de uma política completa e efetiva.

A compreensão de Trump sobre a Coreia do Norte mostrou-se muito pouca. Apenas alguns meses em sua presidência, ele está percebendo que as ameaças de "fogo e fúria" são tão vazias que nem ele mesmo acredita.

É seguro dizer que a estratégia de dissuasão e contenção não é ideal. No entanto, todas as outras opções aumentam o risco de confronto drasticamente ou fazem pouco para evitar a guerra. "A questão certa não é se a Coreia do Norte pode ser dissuadida, mas sim como os riscos de tentar fazer isso se comparam aos riscos da alternativa - uma guerra preventiva". Quando esses riscos são pesados, a dissuasão acaba por ser a opção menos perigosa.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

sábado, 9 de dezembro de 2017

O embargo dos EUA contra a Coreia do Norte nunca funcionará

Coreia do Norte

Fazer motores de foguete é difícil e caro. Por exemplo, os EUA ainda estão usando fortemente os motores RD-180 comprados da Rússia. As substituições estão a caminho, mas a Rússia afirma que os EUA continuarão a comprar seus motores RD-180. Portanto, seria improvável que a Coreia do Norte, com sua base de engenharia limitada e sem grandes recursos, criasse uma produção totalmente autônoma de motores de foguetes modernos.

Seus motores de foguete são provavelmente RD-250 feitos na Ucrânia: o sucesso do míssil da Coreia do Norte está ligado à planta ucraniana, dizem investigadores.

No entanto, a Rússia teve um número significativo de motores RD-250 e, em qualquer caso, entregá-los aos norte-coreanos via Ucrânia seria muito difícil. Anos atrás, a Ucrânia prendeu dois norte-coreanos que tentaram obter documentação técnica para RD-250. Eles ainda estão presos na Ucrânia.

A Rússia compartilha fronteira com a Coreia do Norte e opera uma ligação ferroviária para o país. Esta ligação ferroviária foi usada por Kim Jong Il para visitar a Rússia com seu trem. Não, ele não voou para a Rússia. Não foi até Moscou, mas longe o suficiente para carregar um monte de motores de foguete.

A constatação de que a Rússia vem fornecendo motores de foguete para a Coreia do Norte não é agradável - quando a Rússia forneceu tanques aos coreanos na década de 1950, a guerra da Coreia começou. Mas, pelo menos, isso sugere que a Coreia do Norte está bastante limitada na sua capacidade de implantar ICBMs.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Coreia do Norte dispara míssil

A Coreia do Norte disparou um míssil balístico nesta quarta-feira (28), segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

A Coreia do Norte disparou um míssil balístico nesta quarta-feira (28), segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap, citando fontes militares.

Não está claro o alcance do míssil.

A Coreia do Norte testou vários outros mísseis neste ano, incluindo seus primeiros mísseis balísticos intercontinentais, à medida que as tensões aumentam em relação ao seu programa nuclear.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: Coreia do Norte dispara novo míssil
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Coreia do Norte substituiu seus guardas de fronteira após deserção de um soldado

Após a deserção do soldado norte-coreano para a Coreia do Sul, o país teria substituído todos os seus guardas de segurança da fronteira, de acordo com o relatório da Yonhap.

Norte-coreanos também foram vistos plantando duas árvores e cavando uma trincheira onde o desertor escapou, de acordo com um alto diplomata dos EUA na Coreia do Sul.

MANCHETE SOBRE O ASSUNTO: Coreia do Norte -1...
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Soldado norte-coreano desertou do país pela zona desmilitarizada

Um soldado norte-coreano conseguiu fugir do país, ele conseguiu atravessar a zona desmilitarizada na fronteira com a Coreia do Sul.

Um soldado norte-coreano conseguiu fugir do país, ele conseguiu atravessar a zona desmilitarizada na fronteira com a Coreia do Sul. Não sem antes ter sido baleado por militares norte-coreanos.

De acordo com a BBC, por ano, cerca de mil pessoas tentam fugir da Coreia do Norte para a Coreia do Sul, mas poucos o fazem através da zona desmilitarizada.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter

terça-feira, 7 de novembro de 2017

"Não há boas opções militares para a Coreia do Norte"

Deputados dos Estados Unidos se opõem à ação militar dos EUA contra a Coreia do Norte.

Um grupo de 16 deputados dos EUA, que participaram da Guerra da Coreia, emitiram uma declaração conjunta contra o pensamento do presidente dos EUA, Donald Trump, de mobilizar tropas terrestres para destruir o arsenal nuclear da Coreia do Norte, afirmando que o resultado poderia ser desastroso para os sul-coreanos e soldados dos EUA estacionados na Coreia do Sul.
COMPARTILHE:    Facebook Twitter